Publicidade
Cotidiano
MARIA DA PENHA

Fim de relação abusiva é a hora de maior risco para a mulher, diz Ministério Público

“Mulheres têm perdido a vida em razão da violência doméstica e o momento de maior risco para elas é quando decidem dizer ‘não’”, declarou promotora de justiça 07/08/2018 às 14:23
Show violenciacontramulher
Foto: Agência Brasil
Jéssica Antunes (Agência Brasil) Rio de Janeiro (RJ)

O momento em que a mulher decide sair de uma relação abusiva e dizer "não" ao parceiro é a hora de maior risco para as mulheres. A afirmação foi feita pela coordenadora do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Violência Doméstica contra a Mulher e Núcleo de Gênero, promotora Lúcia Iloizio, durante ação social hoje (7) no Rio de Janeiro para celebrar os 12 anos de Lei Maria da Penha, que visa proteger mulheres da violência física e verbal.

“Nós estamos aqui para fazer um trabalho de conscientização com relação à Lei Maria da Penha e também para chamar atenção para esse quantitativo [de denúncias de feminicídio]. Mulheres têm perdido a vida em razão da violência doméstica e o momento de maior risco para elas é quando decidem dizer ‘não’ àquela relação abusiva. Então todo o cuidado é pouco”, reforçou a promotora. O evento conta com a ouvidoria itinerante do MPRJ e oferece gratuitamente a segunda via de identidade e certidões de nascimento, casamento e óbito.

Lúcia Iloizio também reforçou a importância de as mulheres não se calaram diante de casos de violência doméstica. "Infelizmente a violência doméstica se torna, muitas vezes, uma rotina na vida da mulher e pode dar causa, sim, à morte dela. E isso é importante que se frise”, pontuou.

Segundo a promotora, desde 2015 — ano em que a Lei de Feminicídio foi criada — até março deste ano, o Ministério Público já registrou cerca de 170 denúncias de feminicídios tentados ou consumados. A promotora acentuou ainda que as mulheres precisam saber que a lei existe e que há também outros serviços de acolhimento e atenção às vítimas de violência doméstica, como abrigamento e medidas protetivas.

Publicidade
Publicidade