Sábado, 25 de Maio de 2019
DECISÃO

Flávio Bolsonaro pede e STF suspende investigação sobre ex-assessor Queiroz

Pedido feito pelo filho do presidente Jair Bolsonaro foi acatado, liminarmente, pelo ministro Luiz Fux. Queiroz é alvo de investigações do MP-RJ por movimentações financeiras atípicas



queirozbolso_0F0352BA-3C5B-4115-BE66-F68782FE9589.jpg
Foto: Reprodução/internet
17/01/2019 às 11:46

O Supremo Tribunal  Federal determinou a suspensão das investigações que vinham sendo feitas pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro sobre Fabrício Queiroz e outros assessores da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). A informação foi repassada pelo próprio MP-RJ, por meio de nota.

Fabrício Queiroz era assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) quando ele ocupava o cargo de deputado estadual pelo  Rio de Janeiro. E foi o próprio Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, quem pediu a suspensão das investigações, conforme protocolo que consta no sistema do STF. A decisão de suspender foi tomada pelo ministro Luiz Fux.

Com a decisão de Fux, as investigações ficam suspensas até que o relator do pedido, ministro Marco Aurélio Mello, se manifeste.  Pelo fato de o recurso tramitar sob sigilo, o MP informou que não se manifestará sobre o mérito da decisão.

Queiroz virou alvo de investigações por movimentações financeiras atípicas quando assessora Flávio Bolsonaro. De acordo com relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), ele movimentou, durante 13 meses, R$ 1,2 milhões. Entre as transações, consta um depósito de R$ 24 mil na conta bancária da primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Antes da suspensão das investigações, Fabrício Queiroz faltou a dois depoimentos no MP-RJ, alegando problemas de saúde. Ele chegou a ser internado no Hospital Albert Einstein para uma cirurgia por conta de um câncer.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.