Publicidade
Cotidiano
ASSASSINADO

Foragido do semiaberto é encontrado morto esquartejado e decapitado em Parintins

Gilson dos Santos, o “Nechita”, estava também com o braço direito e as pernas cortadas. O corpo apresentava perfurações de arma branca 12/02/2018 às 09:20 - Atualizado em 12/02/2018 às 11:52
Show 14
Foto: Divulgação
Gerlean Brasil Parintins (AM)

A Polícia Civil de Parintins investiga a morte do detento foragido do regime semiaberto Gilson dos Santos Silva, conhecido como “Nechita”, encontrado esquartejado e decapitado na área do Campo do Gordo, no bairro Itaúna 2, por volta das 14 horas deste domingo (11). A vítima estava também com o braço direito e as pernas cortadas.

Tatuagens e uma lesão no braço esquerdo de Gilson levaram os investigadores da Polícia Civil a identificar o corpo como de Gilson de Santos, que estava foragido do sistema prisional, no qual cumpria pena em regime semiaberto. Os policiais estavam à procura dele, com mandado de prisão da Justiça de Parintins em aberto, até tomarem conhecimento do crime. O corpo decapitado apresentava sinais de muita violência e perfurações de arma branca.

Em uma página nas redes sociais, policiais militares informaram que possivelmente o crime não ocorreu no Campo do Gordo e suspeita-se da execução ter sido feita em outro local. De acordo com informações da Polícia Civil, Gilson dos Santos cumpriu pena por homicídio e é acusado de participar ativamente da morte do carroceiro Adimil de Souza Silva, decapitado e queimado durante a maior rebelião da história de Parintins, e, 1º de setembro de 2014, além da tortura até a morte do tricicleiro Paulo Eliezer Miranda Nascimento.

O nome de Gilson dos Santos Silva consta na denúncia do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) – encaminhada em 2017 pela promotora Tânia Maria de Azevedo Feitosa à Justiça de Parintins – por participação no motim, que resultou em duas mortes. A Polícia Civil busca informações para elucidar a morte de Gilson dos Santos e quem souber alguma pista pode comunicar a delegacia, que o nome será mantido em absoluto sigilo.

*Especial para A Crítica

Publicidade
Publicidade