Publicidade
Cotidiano
Notícias

Força conectora: redes sociais fazem o país se unir em manifestações

Com a amplitude das manifestações, a internet aproxima cada vez mais a população do poder público 22/06/2013 às 18:17
Show 1
Com máscaras, caras pintadas, bandeiras do Brasil e cartazes, manifestantes que 'saíram' da internet convocaram outros usuários a largar o 'vício' e ir para a rua
Carolina Silva Manaus, AM

<!-- /* Style Definitions */ table.MsoNormalTable {mso-style-name:"Tabela normal"; mso-tstyle-rowband-size:0; mso-tstyle-colband-size:0; mso-style-noshow:yes; mso-style-priority:99; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt; mso-para-margin-top:0cm; mso-para-margin-right:0cm; mso-para-margin-bottom:10.0pt; mso-para-margin-left:0cm; line-height:115%; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:"Calibri","sans-serif"; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-theme-font:minor-fareast; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}-->

A facilidade de acesso às redes sociais tem transformado-as cada vez mais em “balcões de reclamações” dos cidadãos. Facebook e Twitter são os espaços preferidos para pressionar o poder público por melhorias na cidade e exigir investimentos em educação, saúde, infraestrutura e demais serviços públicos, como o transporte, a exemplo do momento histórico que vivenciamos nos últimos dias, quando os protestos, que se limitavam às redes sociais, ganharam as ruas das cidades brasileiras e, em Manaus, levaram mais de 85 mil pessoas às ruas, na quinta-feira.

A amplitude que ganhou o protesto iniciado nas redes sociais pelo Movimento Passe Livre (MPL), que exigia apenas a redução da tarifa de ônibus em algumas capitais brasileiras, reflete o poder que a mobilização popular pode ter quando sai do mundo virtual e vem para o real.

Agora, imagine uma rede social encarregada de denunciar os inúmeros problemas que as cidades brasileiras enfrentam e propor soluções a eles. A ferramenta existe há menos de três meses e reúne 15 mil usuários, segundo os idealizadores.
 
Além de ser um aplicativo urbano, o Colab também é uma rede social no qual o cidadão pode reclamar de dificuldades rotineiras, como buracos nas ruas, limpeza pública e outras, e ainda propor soluções para saná-los.
 
A ferramenta já conta, inclusive, com a participação de manauenses, embora o número de usuários ainda seja pequeno. Na opinião do pernambucano Gustavo Maia, um dos idealizadores do Colab, a rede social ainda está conquistando espaço na capital amazonense, assim como em outras cidades brasileiras, pois foi lançado há pouco tempo, o que não quer dizer que o número de problemas da cidade está reduzindo.

“O Colab foi lançado há menos de três meses, o que o torna ainda pouco conhecido. O potencial em Manaus é enorme, pois como toda grande cidade brasileira, possui muitos problemas. Por enquanto, temos tido uma enorme aceitação em Recife e região metropolitana, pois foi a primeira cidade disponível para publicações”, explicou Gustavo Maia, em entrevista para A CRÍTICA.

Reunindo problemas

De acordo com Maia, a ideia surgiu por conta do grande número de reclamações sobre problemas nas cidades (buracos nas ruas, iluminação pública, trânsito e outros).

“Víamos que as pessoas naturalmente expõem problemas e soluções sobre as cidades em suas redes sociais. Por outro lado, os gestores públicos não conseguem monitorar tudo o que é postado nas redes sociais e todas essas informações acabam se perdendo. Então, pensamos em criar uma rede social onde as pessoas poderiam se conectar às cidades, postando problemas, mas também propondo projetos e avaliando entidades/órgãos públicos. Tudo isso categorizado, para que o poder público pudesse utilizar as informações para melhoria da gestão das cidades”, disse.

‘Trânsito Manaus’ mais interativo

Há quatro meses, uma aplicação no site Trânsito Manaus também tem integrado cidadãos que querem uma cidade melhor. A ideia do “Mais Manaus”, semelhante ao do Colab, também é permitir que os usuários solicitem, do poder público, soluções para os problemas encontrados por onde passam, ou mesmo, onde moram.

“São diversas solicitações colocadas pelos usuários: sinalização, semáforo, faixa de pedestres, entre outras. Está disponível a toda população. O usuário pode visualizar a solicitação, o cumprimento e avaliação”, explica Luiz Eduardo Leal, 25, um dos criadores do site Trânsito Manaus.

Segundo Leal, atualmente a aplicação “Mais Manaus” conta com a participação de 990 usuários. No entanto, disse que ainda falta uma atenção do poder público para que os problemas apontados pela população sejam solucionados. “Nós damos a possibilidade do poder público visualizar as solicitações, mas não dão um feedback à população”, afirmou.

Protesto ‘dominou’ as discussões

A convocação para os milhares de brasileiros que foram às ruas protestar contra problemas que vão do alto custo do transporte público à corrupção começou nas redes sociais. E o protesto, que “invadiu” as ruas das principais cidades do País, entre elas Manaus, tomou conta das redes sociais nesta semana, dominando os assuntos das publicações de usuários.

Fotos de manifestantes, cartazes com palavras de ordem e, claro, o bom humor típico do brasileiro, estavam na maioria dos “posts”, tanto no dia do protesto, que em Manaus foi realizado na quinta-feira, quanto no dia seguinte.

Em Manaus, foram criados vários perfis ou grupos para “convocar” os manauenses a participar não apenas do protesto, mas também a se envolver na confecção de cartazes, camisas, decidir o horário, duração e até o trajeto da passeata, com enquetes abertas, onde cada um deixava sua opinião, de forma democrática.

Propostas, análises e fiscalização

O conceito do Colab, segundo Gustavo Maia, é fácil.  Os usuários acessam a nova rede a partir do seu perfil do Facebook e, na versão web ou por meio do aplicativo para celular, podem “fiscalizar”, “propor” e “avaliar”.

“Cada pilar desse tem várias categorias. Fiscalize: buraco nas vias, calçadas irregulares, iluminação pública, dengue, poda/retirada de árvore, etc.;  Proponha: urbanismo, tecnologia, turismo, mobilidade urbana, etc.; Avalie: hospitais, escolas, universidades, etc.”, detalhou Maia.

Sendo assim, o usuário pode reclamar dos problemas que observa na sua cidade, propõe soluções e ainda é possível avaliar a gestão pública do município em relação aos serviços, instituições e entidades.

“O Colab está disponível para todas as cidades do País. Estamos, aos poucos, descobrindo os canais oficiais para enviarmos tudo para as prefeituras. E ele não é só um aplicativo, é uma rede social que funciona nos apps de iPhone e Android, mas tem também a versão web”, finalizou Gustavo Maia. A página está no seguinte link: http://colab.re/.

Saiba mais: cartas ao prefeito

Outra ferramenta de sugestão e críticas disponível para a população de Manaus que deseja avaliar e acompanhar medidas da administração pública, ou ainda denunciar irregularidades, é o grupo “Cartas ao Prefeito Eleito”, administrado pela Rede Calderaro de Comunicação (RCC).

O grupo, localizado na rede social Facebook, foi criado antes das últimas eleições municipais com o objetivo de levantar propostas apresentadas pelos próprios eleitores ao prefeito eleito que, no caso, foi Artur Neto. As propostas dos leitores foram publicadas em uma edição especial, entregue ao prefeito após a posse, mas o grupo de discussão continua disponível e recebendo sugestões.

Melhor aplicativo urbano do mundo

O Colab foi eleito o melhor aplicativo urbano do mundo. Foi vencedor do prêmio “AppMyCity!”, organizado pela chamada “New Cities Foundation”.  A competição deu aos idealizadores do Colab um prêmio de US$ 5 mil para ajudar no desenvolvimento do aplicativo. Os usuários do Colab podem colocar fotos em suas reclamações e usar recursos de geolocalização, que facilitam a identificação do local exato dos porblemas encontrados.

Publicidade
Publicidade