Publicidade
Cotidiano
Notícias

Formação de pilotos fluviais agora é no Amazonas

Parceria entre Comando Naval e empresas bancou a reforma do prédio onde funcionará escola 14/04/2013 às 12:56
Show 1
O vice-almirante Frade destaca que a criação de uma escola de pilotos em Manaus vai ajudar o mercado e os ribeirinhos
Steffanie Schmidt Manaus (AM)

Com a missão de formar gratuitamente todo profissional que opera embarcações nos meios fluviais e marítimos, a Marinha do Brasil inaugura, nesta segunda-feira (15), a nova escola de formação de pilotos fluviais, na rua Marquês de Santa Cruz, Centro, antiga sede do 9º comando do Distrito Naval. A medida vai permitir a formação de cinco vezes mais profissionais do que vinha sendo feito, uma média de 140 alunos.

Sediada em Manaus, a nova escola trata-se de uma parceria inédita, da ordem de R$ 2,2 milhões, entre 21 empresas privadas do ramo de navegação – mais duas de arquitetura - e a Marinha do Brasil, na Amazônia. Foi, inclusive, a partir de conversas com os empresários do ramo que nasceu a idéia de trazer a formação especializada de mão-de-obra para Manaus, antes restrita à Belém e Rio de Janeiro. As empresas entraram com a obra estrutural e a Marinha com a gestão da escola de pilotos.

De acordo com o vice-almirante Antônio Carlos Frade Carneiro, comandante do 9º Distrito Naval, os cursos oferecidos na capital amazonense eram limitados e, por isso, as empresas locais eram obrigadas a mandar os funcionários especializarem-se em outros Estados. Alguns cursos chegavam a durar até seis meses. Além do custo financeiro, segundo o comandante, há o custo emocional, uma vez que o funcionário passava muito tempo longe da família.

A idéia é contratar empresas, por meio de processo licitatório que deverá ser publicado nos próximos dias, para oferecer cursos específicos de consertos e manutenção de máquinas e motores, de eletricidade e refrigeração ou mesmo de primeiros socorros.

“Isso nos permite contratar o que há de melhor no mercado para a formação de nossos alunos, além de mantermos uma estrutura flexível de professores, reduzindo nosso custo”, explicou o vice-almirante Antonio Carlos Frade. O ganho, segundo ele, é imensurável: mais segurança na navegação dos rios da Amazônia brasileira, profissionais do ramo com perspectiva de melhor remuneração e formação educacional para ribeirinhos, já que serão oferecidos cursos da base do ensino fundamental também.

Abertura

No dia seguinte à cerimônia de inauguração da sede da escola profissionalizante da Marinha, o vice-almirante Antonio Carlos Frade Carneiro passará o cargo para o vice-almirante Domingos Sávio, que vai assumir o comando do 9º Distrito Naval. Frade vai assumir um novo cargo em Brasília.

Publicidade
Publicidade