Publicidade
Cotidiano
Notícias

Formalização em empresas próprias cresce 135% no AM

Balanço do quadrimestre, divulgado pelo Nae, mostra que total de empresas abertas avançou de 155 para 364 no Estado 11/05/2013 às 08:55
Show 1
Para 2013, meta do Nae é alcançar a formalização de 2.500 empresas no Amazonas. Para tanto, núcleo programa mutirões de atendimento no interior
Olívia de Almeida ---

O amazonense parte cada vez mais para o empreendedorismo, por meio da abertura do seu negócio próprio. A constatação é do Núcleo de Apoio ao Empreendedor (Nae), da Secretaria de Estado do Trabalho (Setrab-AM), que divulgou o balanço de empresas abertas formalmente no primeiro quadrimestre deste ano. De janeiro a abril, já foram formalizadas 364 empresas, 135% a mais do que no mesmo período do ano passado (155).

“E a tendência é que esses números aumentem em virtude do mercado de trabalho local, que está ficando mais concorrido. Passar em concurso público está mais difícil e a saída encontrada por muitos é abrir uma empresa”, afirma a gerente do Nae, Lígia Costa.

Ela afirma que 70% das empresas formalizadas optaram pelo setor da construção civil. Nesse grupo estão construtoras e escritórios de arquitetura. “Com a proximidade da Copa de 2014 esses números devem aumentar, pois os empresários querem participar de licitações e para isso é preciso estar com a documentação em dia”, comenta a gerente.

Imóveis influenciaram

Para o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado do Amazonas (Sinduscon-AM), Eduardo Lopes, é natural esse crescimento de formalizações de empresas no setor. Entretanto, outros fatores podem também ter influenciado, dentre eles, o aquecimento do mercado imobiliário.

“De 2007 para cá a construção civil tem crescido consideravelmente, mas acredito que nós próximos anos o setor não siga esse mesmo ritmo, porque o mercado começa a entrar em um período de estabilidade e provavelmente não surjam tantas novas empresas”, avalia.

Mês a mês

Só em janeiro deste ano foram formalizadas 117 empresas. Em fevereiro, foram 96; 78 em março e 73 em abril. Os números são bem superiores a 2012. Em janeiro do ano passado, por exemplo, houve a abertura de apenas 24 empresas. Já em fevereiro foram 38; 39 em março e 54 em abril. De janeiro a dezembro de 2012, o total de organizações abertas chegou a 544.

A meta do NAE para 2013 é formalizar 2.500 empresas, aproximadamente. Para tanto, o núcleo planeja realizar mutirões nos municípios do interior do Estado.

Tempo de espera e taxa podem variar

Segundo a gerente do Nae, o processo de formalização de uma empresa pode durar, em média, 20 dias. Mas esse é o tempo estimado para quem não tem restrições de crédito e possui toda a documentação em dia. O custo do processo é R$ 250 para empreendedor individual e R$ 350 para o que tem sociedade.

“Como os nossos parceiros, responsáveis pela constituição de empresas - como Sebrae-AM, Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) e Junta Comercial do Amazonas (Jucea)-, estão aqui, todos os documentos necessários para o funcionamento da empresa são obtidos no próprio NAE”, informa.

Entre as vantagens de se formalizar a empresa está a emissão da nota fiscal e a possibilidade de participar de licitações. Quem tem interesse em formalizar a sua empresa pode comparecer ao Nae, na avenida Joaquim Nabuco (Centro), ao lado do Sine-AM. Para mais informações: (92) 3621--2218/2245.

Publicidade
Publicidade