Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
publicidade
funai_brumadinho_0_8C7C857D-EBB5-46D3-B43F-7D5986359018.jpg
publicidade
publicidade

INDÍGENAS

Funai diz que dará apoio a índios que vivem perto de barragem rompida de Brumadinho

São cerca de 20 famílias indígenas em uma comunidade próxima ao local onde, na sexta (25), se rompeu a barragem de rejeitos de mineração da empresa Vale


28/01/2019 às 10:05

Uma equipe de servidores da Fundação Nacional do Índio (Funai) foi deslocada, ontem (27), para Brumadinho (MG) a fim de auxiliar as cerca de 20 famílias indígenas que vivem em uma comunidade de São Joaquim de Bicas, próxima ao local onde, na sexta (25), uma barragem de rejeitos de mineração da empresa Vale se rompeu.

Segundo a fundação, mais de 80 indígenas Pataxó Hã-hã-hãe vivem na aldeia Naõ Xohã, às margens do rio Paraopeba. Fonte de sustento para a comunidade, o rio foi atingido pela lama e por dejetos minerais, ameaçando o abastecimento não só dos índios, mas também dos moradores de várias cidades cuja água para consumo vem do Paraopeba.

publicidade

De acordo com a Funai, localizada em um local seguro em relação ao acidente, a aldeia indígena não foi atingida pela alta do nível do rio e não há registro de feridos. Até ontem, a comunidade tinha pequenas reservas de água para consumo próprio.

Contatada por voluntários, a Funai também disponibilizou um caminhão para arrecadar donativos que devem ser levados à aldeia ainda hoje, principalmente garrafas de água. O presidente da fundação, Franklimberg de Freitas, está articulando com o comando da operação em Brumadinho o apoio da empresa e dos órgãos governamentais.

publicidade
publicidade
Quase 3 meses após tragédia, 32 barragens da Vale estão interditadas
No Facebook, Bolsonaro defende mineração e agropecuária em terras indígenas
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.