Publicidade
Cotidiano
Notícias

Fundação de Medicina Tropical fará estudos clínicos com um novo tratamento contra vírus HIV

Instituição busca voluntários não infectados para, a partir de janeiro, testar novo tratamento contra doença que tem 98% de chance de barrar contaminação 23/12/2015 às 09:38
Show 1
Pesquisas são promovidas pela FMT em conjunto com a Fiocruz e o Ministério da Saúde
ACRITICA.COM ---

A Fundação de Medicina Tropical (FMT) fará parte de um grupo de pesquisa de instituições parceiras da Fiocruz/Ministério da Saúde, para realização de estudos clínicos de aceitabilidade da PrEP (Profilaxia Pré-Exposição), na prevenção ao vírus HIV, causador da Aids.

PrEP é a combinação de dois antirretrovirais (tenofovir e emtricitabina) em um único medicamento, o Truvada. Estudos sobre o remédio mostram a sua eficácia, com 98% de chance de quem faz uso regular do medicamento, não ser infectado com o vírus HIV.

A diretora-presidente da FMT, Graça Alecrim, informa que a unidade se engajará ao projeto a partir de janeiro, com a triagem de voluntários, que serão acompanhados pela instituição, durante o período de estudo.

Esse estudo clínico, disse ela, é voltado para pessoas que não estejam infectadas pelo vírus, mas que se encontrem sob maior risco, de acordo com dados epidemiológicos da Organização Mundial de Saúde (OMS). O estudo já iniciou em três capitais brasileiras – Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre.

Em Manaus, a pesquisa abrangerá 50 voluntários. De acordo com a coordenadora médica da pesquisa na capital amazonense, Romina Oliveira, o critério de escolha contemplará pessoas com idade igual ou superior a 18 anos, homens que fazem sexo com homens (HSH), travestis e mulheres transexuais, residentes no município. “Nesta primeira etapa, serão realizados entrevista e exames para selecionar os voluntários”, afirmou.

Romina esclarece que, hoje, não se trabalha mais com o termo“grupos de risco”. “Atualmente, a OMS identifica como “populações-chave” aquelas sob maior risco de infecção pelo HIV, independente do tipo de epidemia ou contexto local.

No Brasil, se considera os profissionais do sexo, HSH, pessoas trans (transexuais e travestis), usuários de drogas. Segmentos que, devido ao risco acrescido, estão mais vulneráveis”. Por conta disso, a oferta ampliada da PrEP é uma das estratégias no contexto da Prevenção Combinada indicada em situações elencadas no novo protocolo da OMS”, explica.

Novos casos

De acordo com a FMT, até outubro de 2015, foram 1.025 novos casos. Desde 1986 a outubro de 2014, 13.534 pessoas foram diagnosticadas com a doença, no Estado. O HIV/Aids não tem cura, mas possui tratamento adequado.

Publicidade
Publicidade