Publicidade
Cotidiano
Notícias

Furto de água e luz é encontrado em conjunto popular de 16 casas no Santa Etelvina, Zona Norte

Participaram da ação a Delegacia Especializada em Combate a Furtos de Energia, Água, Gás e Serviços de Telecomunicações (DECFS) e representantes da empresa de água Manaus Ambiental 11/11/2014 às 19:05
Show 1
Flagrante foi realizado pela empresa Manaus Ambiental e Delegacia especializada em ligações clandestinas
ACRITICA.COM* Manaus (AM)

Uma ligação clandestina de água e de luz foi localizada nesta terça-feira (11) no conjunto Vitória Régia, bairro Santa Etelvina, Zona Norte de Manaus. O flagrante foi realizado através de denúncias pela equipe da Manaus Ambiental e da Delegacia Especializada em Combate a Furtos de Energia, Água, Gás e Serviços de Telecomunicações (DECFS).

Segundo o Coordenador de Fiscalização da Manaus Ambiental, Francisco Assis, as 16 casas ainda se encontram na fase de acabamento da construção, no entanto, já havia moradores ocupando as casas. “Tentamos entrar em contato com o proprietário do conjunto, encontramos apenas funcionários que nos passaram o contato de um dos responsáveis”, informou o coordenador. O responsável pela fiscalização também informou que o abastecimento de água será destruído e será aplicada uma notificação.

(A ligação clandestina de água fornecia as 16 casas do Conjunto Vitória Régia, localizado no Bairro Santa Etelvina)

De acordo com o titular da DECFC, delegado Alfredo Dabella, um inquérito policial foi instaurado para apurar os responsáveis pelas ligações clandestinas. Após a apuração o caso segue para a Justiça onde deverá ser julgado. A pena pode ir de um a quatro anos, além de multa. O delegado também informou que no caso do proprietário estar no local o procedimento poderia até mesmo levar a uma prisão em flagrante.

Dados da empresa Manaus Ambiental dão conta de que numa casa convencional com quatro pessoas 200 litros de água são usados diariamente por pessoa. Quando há furto de água, o consumo diário pode chegar a 600 litros por pessoa, pois quando não há pagamento pelo serviço a pessoa usa e desperdiça mais água que o normal. No caso deste alojamento, com 16 casas, supondo que em cada residência havia quatro pessoas, o gasto é considerado alarmante.

A  empresa Eletrobrás, responsável pela concessão de energia, também foi acionada para que seja feita a inspeção e posteriormente, o desligamento.


*Com informações da assessoria

Publicidade
Publicidade