Publicidade
Cotidiano
Notícias

FVS e FMT treinam profissionais de saúde para atendimento a casos de Chikungunya

Nesta terça-feira (25), a programação organizada pelas duas fundações vinculadas à Susam acontece, a partir das 8h, no auditório do Conselho Regional de Medicina (CRM-AM) 24/11/2014 às 16:35
Show 1
37 dos 62 municípios amazonenses estão sendo considerados prioritários no Plano de Contingência do Chikungunya
acritica.com ---

A Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) e a Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) dão prosseguimento, nesta semana, à intensa programação que vem sendo executada pela Secretaria Estadual de Saúde (Susam), com o objetivo de preparar as redes de assistência pública e particular do Estado, para o atendimento de possíveis casos da febre chikungunya. Nesta terça-feira (25), a programação organizada pelas duas fundações vinculadas à Susam acontece, a partir das 8h, no auditório do Conselho Regional de Medicina (CRM-AM) e terá como público profissionais das cooperativas médicas. Na quinta e sexta-feira (27 e 28), o treinamento será no auditório da FMT-HVD, aberto para diversas categorias profissionais (como fisioterapeutas e enfermeiros), além de médicos cujas especialidades têm maior relação com a doença.

O secretário estadual de Saúde, Wilson Alecrim, destacou que a febre chinkungunya já tem registro de transmissão local em estados do Sudeste e do Nordeste brasileiro, e que o Amazonas tem a preocupação extra com a possível introdução do vírus no Estado em decorrência das epidemias da doença em países vizinhos, como a Venezuela e a Guiana Francesa. Até o momento, o Estado registrou dois casos confirmados da doença, todos “importados”, ou seja, de pessoas (no caso uma venezuelana e uma brasileira residente na Guiana) que residem fora do Brasil.

Além disso, o Amazonas também está entrou no período chuvoso, quando aumenta a presença do Aedes aegypti, o mosquito transmissor da dengue e também da febre chinkungunya, o que potencializa o risco de surgimento de casos das duas doenças. “Não há dúvida de que neste ano temos uma preocupação redobrada com as ações de combate à dengue, que também ajudarão a prevenir os casos de chikungunya. Os profissionais da rede de saúde que já têm bastante experiência no diagnóstico e manejo clínico da dengue, agora precisam estar preparados para fazer este trabalho para assegurar a identificação precoce e o correto manejo dos casos da nova febre”, afirmou Alecrim.

O treinamento desta terça-feira, na sede do CRM, será voltado para profissionais de cooperativas médicas e oferecido em dois horários: das 8h às 11h e das 19h às 21h. As palestras serão ministradas pela médica infectologista Lúcia Alves, da FMT-HVD. Recentemente, a convite do Ministério da Saúde, Lúcia Alves integrou a equipe de profissionais que acompanhou as ações de enfrentamento da epidemia de chikungunya no município baiano de Feira de Santana e é uma das profissionais de referência para o Ministério, no diagnóstico e tratamento de casos da doença. Feira de Santana registrou mais de 1,2 mil casos suspeitos da doença, dos quais 563 confirmados, 112 descartados e 596 ainda sob investigação, conforme Boletim Epidemiológico da prefeitura do município, do último dia 17.

Na quinta e na sexta-feira (27 e 28) o treinamento programado para o auditório da FMT-HVD vai ser ministrado pelos infectologistas Silvio Fragoso e Antônio Magela. A programação acontece pela manhã, à tarde e à noite, para turmas de até 150 profissionais.

A febre chikungunya é uma doença infecciosa, causada pelo vírus chikungunya (o CHIKV) e que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti (transmissor da dengue) e Aedes albopctus(transmissor da febre amarela). A doença, explica o diretor-presidente da FVS, Bernardino Albuquerque, tem manifestação semelhante à dengue, com febre alta e súbita, erupções na pele, dores musculares, tendo como principal característica as dores nas articulações. Não há, como na dengue, a manifestação hemorrágica da doença, mas as dores nas articulações podem comprometer os movimentos e perdurar por muitos meses. “Esse é o principal problema para o paciente, que terá de fazer um acompanhamento longo”, diz Bernardino.

Serviço
Treinamento de equipes médicas para atendimento de casos de chikungunya
Data:25/11
Horário: 8h
Local: auditório do Conselho Regional de Medicina (CRM) – av. Raimundo  Parente, nº 6 – Bairro da Paz

*Com informações da assessoria de comunicação.

Publicidade
Publicidade