Publicidade
Cotidiano
Notícias

Gastos com uso de telefones na ALE-AM chegam a R$ 249 mil

De um total de R$ 754,8 mil colocados à disposição dos parlamentares, foram gastos de janeiro a outubro deste ano 33% 04/11/2015 às 16:45
Show 1
Além da cota para telefonia, os deputados têm direito ao Cotão, a Ceap
Aristide Furtado Manaus (AM)

A dois meses do final do ano, a Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM) só desembolsou 33% de um total R$ 754,8 mil da cota telefônica dos deputados estaduais. Segundo o portal da Transparência do Governo do Estado, até ontem (1º) os gastos dos parlamentares com telefone celular somavam R$ 249,3 mil. 

Cada um dos 24 membros da Casa Legislativa têm direito a uma verba mensal para custear as despesas de telefonia móvel e fixa de seu gabinete. Os celulares podem ser usados pelos deputados e por assessores por ele escolhidos. A ALE-AM, porém, não tem controle de quem usa os aparelhos. “Existe um setor competente que controla os recursos, controla o saldo e se o valor da despesa mensal supera o do saldo a diferença é imediatamente descontada no salário do deputado”, disse a direção da Casa ao ser questionada sobre essas despesas. 

O portal da Transparência mostra que a ALE-AM empenhou (registro contábil) para os reeleitos em 2014 R$ 33,6 mil. Os que iniciaram o mandato em fevereiro podem gastar até R$ 30,4 mil. Os que deixaram a Casa, usaram o benefício em janeiro. O valor, segundo a Diretoria de Comunicação da Casa, é pago diretamente às operadoras.

No ranking dos que mais usaram a cota de telefonia, Orlando Cidade (PTN) ocupa a primeira colocação. De um total de R$ 33,6 mil, gastou até ontem R$ 24 mil. A segunda posição é do deputado Luiz Castro (Rede). Consumiu R$ 23,6 mil.

O deputado Abdala Fraxe (PTN) fica com a terceira conta telefônica mais cara nesse período. Foram R$ 23,5 mil. O presidente da Casa, deputado Josué Neto (PSD) registrou a quarta maior despesa com telefones celulares. Foram R$ 17,1 mil nos últimos dez meses. O lider do Governo, deputado David Almeida (PSD) apresenta a quinta maior fatura com R$ 16,2 mil.

Com contas telefônicas acima dos R$ 10 mil, de janeiro a outubro, também encontram os deputados Vicente Lopes (PMDB), que gastou R$ 13,9 mil; Cabo Maciel (PR) que apresentou consumo de R$ 13,7 mil; Wanderley Dallas (PMDB) , cujas faturas totalizaram R$ 12,1 mil; Ricardo Nicolau (PSD) com R$ 12 mil; e Francisco Souza (PSC) com R$ 10,4 mil.

O deputado José Ricardo (PT) utilizou R$ 9,9 mil. Os telefones sob responsabilidade do gabinete do deputado Belarmino Lins (PMDB) gastaram R$ 9 mil; os de Platiny Soares (PV) totalizaram R$ 8,9 mil; os de Adjuto Afonso (PP), R$ 8,7 mil; os de R$ Bosco Saraiva (PSDB), R$ 7,3 mil. A conta telefônica de Sinésio Campos (PT) deu R$ 6,8 mil; a Alessandra Campelo (PCdoB) , R$ 6,4 mil;  a de Augusto Ferraz (DEM), R$ 4,6 mil; e a de Dermilson Chagas (PDT), R$ 4,2 mil. Sidney Leite (licenciado) e Bi Garcia (PSDB) gastaram R$ 2,3 mil. E Serafim Corrêa (PSB), R$ 2,2 mil.

Apenas dois deputados não têm gastos com telefones celulares: Carlos Alberto (PRB) e Francisco Gomes (PSD). “O meu gabinete não usa essa cota”, disse Carlos Alberto.

Pago celular do meu bolso, diz Dr. Gomes

O deputado Francisco Gomes (PSD) disse: "Eu pago do meu bolso as contas dos meus dois celulares. E não uso cota de telefonia. Nunca usei cota e não quero usar. É um direito mas não uso. No meu gabinete ninguém usa a cota telefônica. O único telefone que utilizo é o fixo do gabinete que dá uma mixaria. É telefone convencional. Não critico nenhum colega que usa. Tomei uma decisão  não foi para querer ser melhor que ninguém. É porque como na Câmara (de Vereadores de Manaus) eu tinha direito e nunca usei a prática da Câmara se estendeu para a Assembleia. Não tem o objetivo de querer ser melhor”, disse

Ao ser questionado se a não utilização da cota de telefonia atrapalha o seu desempenho parlamentar ele respondeu que não. “Porque pago do meu próprio salário os meus telefones. Meus dois telefones dão na faixa de R$ 600 reais. Eu pago do meu bolso”, disse o deputado, que assumiu o posto com a licença tirada por Sidney Leite, no início do ano,  para ser titular da Sepror.

Economia de R$ 4,5 milhões

A Diretoria de Comunicação da Assembleia Legislativa do Amazonas divulgou, na sexta-feira, que as medidas de contenção de despesas tomadas em meados de agosto pela direção da Casa já economizaram só em folha de pagamento R$ 4,5 milhões. O órgão explicou que esse valor foi alcançado com o corte de gratificações, horas extras e a suspensão dos grupos de trabalho.

“A redução do horário de trabalho possibilitou uma economia de pelo menos R$ 34 mil, de um mês para o outro, com energia elétrica. Condicionadores de ar, computadores e a própria iluminação dos setores ficam ligadas por menos tempo. A ALE-AM também reduziu, em 25%, o valor dos contratos da Casa, o que possibilitou uma economia de R$ 650 mil”, disse a ALE-AM.

Outra medida tomada foi a suspensão de despesas com passagens aéreas, diárias, serviços de buffet, frete de aeronaves, além de redução de 25%. A Casa disse que contabiliza queda nos repasses de R$ 12 milhões nos últimos três meses.

Castro: a conta não é menor porque tem o interior

O deputado estadual Luiz Castro (Rede) afirmou que estabeleceu regras para o uso dos telefones fixos e móveis de seu gabinete para racionalizar os gastos. As ligações são feitas de telefones fixos para fixos. E de celular para celular. “No ano passado, economizamos R$ 10 mil com os gastos de telefonia. Este ano estamos procurando fazer economia. Não sei se vamos chegar a esse valor. Mas não vamos gastar a cota toda”, disse o deputado.

O parlamentar explicou que esses telefones são estratégicos para viabilizar a atuação dele na Comissão de Meio Ambiente, e nas frentes parlamentares de Cooperativismo, e de  Enfrentamento à Violência contra a Criança e o Adolescente, ambas presididas por ele.

“A gente tem o núcleo sócio político que trabalha com as políticas publicas, acompanha as políticas de governo. Tem que ter telefone nesses núcleos. E o celular da suporte. A gente não permite o uso para assuntos particulares. A conta não é menor porque tem o interior. É importante instrumento para viabilizar a atividade parlamentar. Há muita demanda da população. Muita ligação. Parlamentares com trabalho mais interiorizado usam mais. É diferente o gasto de cada deputado, depende da atuação parlamentar de da um”, disse.

Três perguntas para Orlando Cidade

Deputado estadual pelo PTN

1 - A sua conta de telefonia foi maior. Por quê?

O meu pessoal utiliza com muitas ligações para o interior do Estado e para outros estados, dentro da minha atuação parlamentar.

2 - Quantos assessores usam esses celulares?

Não posso te informar. Tem vários. Todos têm. Usam esse sistema. Só você indo lá. Tem vários assessores. Não tem nenhuma (ligação) para o exterior. Tenho viagens para o exterior, para países da América do Sul, mas quase nada uso. Tudo a nível Brasil.

3 - O senhor sabe como é a prestação de contas da cota de telefonia?

Agora você me colocou numa saia justa. São os meus assessores que cuidam disso.

4 - É importante essa cota para o exercício do seu mandato?

Com certeza. Assim como é para você. Se tem telefone institucional é importante.

Publicidade
Publicidade