Publicidade
Cotidiano
Falta controle no Estado

Governador do Amazonas admite que médicos estrangeiros atuam no interior na clandestinidade

Omar desconhece o número desses profissionais que atuam no Estado, admite não ter controle sobre eles, já que não é papel do Governo do Estado, e afirma nada te a ver com o problema 13/03/2013 às 21:40
Show 1
O encontro com a presidente ocorreu em Brasília
Antônio Paulo Brasília

O governador Omar Aziz admitiu nesta quarta-feira (13) que os médicos estrangeiros atuantes no Estado do Amazonas entram no Brasil e atendem aos pacientes no interior do Amazonas de forma clandestina, sem a permissão das autoridades nacionais e do Conselho Regional de Medicina (CRM). Omar desconhece o número desses profissionais que atuam no Estado, admite não ter controle sobre eles, já que não é papel do Governo do Estado, e afirma nada te a ver com o problema.

“Em vez de controlar médicos que estão trabalhando, salvando vidas, deveriam se preocupar em controlar a maconha e a cocaína que entram no Amazonas e estão matando nossos jovens. Não tenho controle (sobre os médicos estrangeiros), não quero saber, eu ouvi dizer que há médicos nessas condições trabalhando lá. Não tenho certeza”, declarou o governador ao deixar ontem à noite o Palácio do Planalto.

Omar Aziz e a bancada parlamentar do Amazonas, na Câmara dos Deputados, estiveram com a presidente Dilma Rousseff a quem apresentaram um rosário de problemas, reivindicações demandas do Estado. A demanda mais que urgente levada à presidente da República foi a falta de médicos no interior. O governador voltou a dizer que estão morrendo muitas pessoas não por falta de hospitais, mas por escassez de médicos especialistas (pediatras, ginecologistas/obstetras, anestesistas e cirurgiões). Informou que há um déficit de 2 mil médicos no Estado, com 0,6 profissionais por cada mil amazonenses. No Brasil, faltam cerca de 160 mil médicos.

Para o governador amazonense, a saída é a contratação de médicos especialistas e com urgência. Ele ouviu da presidente que o Governo federal deverá trazer médicos de outros países para atender à demanda reprimida do Norte, Nordeste e das periferias das grandes cidades, assim como está sendo elaborada uma medida provisória e que já foi publicado um edital com o chamamento de médicos de outros países com salário de R$ 8 mil. “Minha proposta é que só devem ser credenciados médicos de outros países se os brasileiros não preencherem as vagas necessárias e só poderão trabalhar, temporariamente, naqueles municípios para o qual receberem autorização do CRM”, sugeriu Omar Aziz.

O governador pediu recursos para custear o sistema de saúde do Estado especialmente nas áreas de média e alta complexidade. Demanda que foi encaminhada ao ministro da Saúde, Alexandre Padilha.


Dilma Pronta para receber Artur

Demonstrando estar mesmo em sintonia com o prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB), o governador Omar Aziz aproveitou o encontro com a presidente Dilma Rousseff, ontem, para falar da situação em que se encontra a capital do Amazonas e pediu recursos ao Governo Federal. “Manaus vai sediar a Copa do Mundo e não pode ficar do jeito que está, cheia de buracos, mesmo o prefeito fazendo um esforço para tentar resolver o problema, mas sem dinheiro não vai resolver nada”, declarou Aziz. Dilma mandou um recado a Artur, dizendo que ele pode marcar uma audiência que ela vai recebê-lo no Palácio do Planalto para tratar dos problemas da cidade de Manaus.

Questionado se a intercessão junto à presidente em favor da Prefeitura de Manaus tem a ver com uma provável aliança política nas eleições e 2014, Omar Aziz disse que sendo governador do Amazonas tem a obrigação de buscar ajuda para a capital. “Quero concluir muitas obras, iniciar outras e preparar a transição para o futuro governador”, respondeu Omar ao ser perguntado se seria candidato.

A reportagem completa estará disponível na edição do jornal A Crítica desta quinta (14).

Publicidade
Publicidade