Publicidade
Cotidiano
Notícias

Governo do Estado faz o possível para amenizar efeitos da greve da Suframa, afirma José Melo

A afirmação foi dada após nova decisão da Justiça Federal que reconsiderou a liberação de servidores da Sefaz para atuarem na liberação de mercadorias durante a greve dos servidores da autarquia federal 13/06/2015 às 19:41
Show 1
'Espero que essa guerra encerre o quanto antes', disse o governador sobre a greve dos servidores da Suframa
acritica.com Manaus (AM)

O governador José Melo (Pros) afirmou, neste sábado (13), que "o Governo do Estado tem feito o possível para amenizar os efeitos da greve da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), ao colocar servidores da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) para realizar os serviços de liberação de mercadorias". A declaração foi dada durante a entrega de 2.183 títulos definitivos para moradores de seis bairros da Zona Norte de Manaus.

José Melo reclamou de queda na arrecadação do Estado com a paralisação. Espero que essa guerra encerre o quanto antes, porque o momento econômico que o país vive e o nosso Estado também é um momento que requer muito equilíbrio. Tivemos queda de arrecadação e de atividade industrial e uma greve piora ainda mais a situação", afirmou.

Questionado sobre a indicação do novo superintendente da autarquia federal, o governador voltou disse que a decisão é exclusiva da presidente Dilma Rousseff (PT) e que o seu único desejo é que o nome escolhido seja de um técnico. 

Decisão

O juiz federal Rafael Leite Paulo deferiu pedido do Ministério Público Federal (MPF) e reconsiderou a liminar concedida pelo juiz Ricardo Sales que assegurou o funcionamento da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) com servidores da Sefaz. A decisão de Ricardo Sales havia criado um novo problema porque não especificou a quantidade de servidores da Suframa que deveriam continuar trabalhando.

Conforme a decisão de Rafael Leite, pelo menos 30% do contingente de servidores da Suframa deve atuar durante a greve, como é previsto constitucionalmente. 

A decisão liminar foi concedida no fim da noite desta sexta-feira (12) e o pedido do MPF foi protocolado na tarde do mesmo dia.

Publicidade
Publicidade