Sexta-feira, 26 de Abril de 2019
publicidade
brasill.jpg
Ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira, apresentam o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2018 (Foto: Agência Brasil)
publicidade
publicidade

ANÚNCIO

Governo Federal eleva para R$ 129 bilhões a meta de déficit primário para 2018

Anteriormente, resultado negativo chegava a R$ 79 bilhões. Anúncio do novo valor foi feito pelos ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira


O governo federal elevou nesta sexta-feira (7) de R$ 79 bilhões para R$ 129 bilhões a meta de déficit primário para 2018. O déficit primário é o resultado negativo das contas do governo antes do pagamento dos juros da dívida pública.

O anúncio foi feito pelos ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira, em entrevista coletiva para apresentar o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2018.

publicidade

A meta indicativa de déficit de R$ 79 bilhões em 2018 estava prevista na Lei de Diretrizes Orçamentária de 2017, aprovada pelo Congresso no ano passado.

Meirelles destacou que há um compromisso do governo em reduzir a meta em relação a 2017. Para este ano, a meta de déficit para o Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) é de R$ 139 bilhões.

Para definir a meta de 2018, Meirelles disse que foram levadas em consideração as projeções para o crescimento da economia de 0,5%, em 2017, e de 2,5%, no próximo ano. O governo também prevê que a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), fique em 4,3% este ano, e em 4,5% em 2018.

publicidade
publicidade
Jair Bolsonaro retira sigilo bancário de operações com recursos públicos
Reforma vai gerar economia de R$ 1,236 trilhão em 10 anos, diz governo
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.