Domingo, 18 de Agosto de 2019
Às Forças Armadas

Governo federal vai liberar R$ 78 milhões para segurança nas Olimpíadas

O dinheiro será destinado para as Forças Armadas atuarem na segurança dos Jogos. A verba foi solicitada pelo Ministério da Defesa ao do Planejamento, Orçamento e Gestão



1030436-12072016-img_3378.jpg Os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, do Esporte, Leonardo Picciani, e da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
12/07/2016 às 15:16

O governo federal vai destinar R$ 78 milhões para que as Forças Armadas atuem na segurança dos Jogos Olímpicos Rio 2016. A solicitação da verba foi feita pelo Ministério da Defesa ao do Planejamento, Orçamento e Gestão, e será liberada.

A informação foi dada hoje (12) pelo ministro do Esporte, Leonardo Picciani, após reunião, no Palácio do Planalto, com os nove ministros que integram o grupo de trabalho destacado pelo governo para garantir o bom andamento da Olimpíada. “O ministério da Defesa precisa estar com seu funcionamento pleno. Foi feito um pedido pelo Ministério da Defesa de um espaço orçamentário", disse Picciani. "É o valor necessário para que a defesa cumpra sua tarefa e estará disponível", afirmou Picciani.

O ministro do Esporte disse também que o presidente interino Michel Temer editará, “nos próximos dias”, a chamada Garantia da Lei e da Ordem (GLO), norma que permitirá às Forças Armadas atuar durante a Olimpíada.

A participação da Defesa nas ações de segurança para a Olimpíada começa no próximo dia 24, com a patrulha dos equipamentos esportivos. O cronograma prevê que a operação esteja plenamente instalada no dia 4 de agosto, com homens das Forças armadas assumindo também parte do policiamento ostensivo no Rio de Janeiro, em vias expressas e nas proximidades dos locais de prova.

Eduardo Paes

Picciani evitou comentar declarações recentes do prefeito do Rio, Eduardo Paes, que, em entrevista ao jornal britânico The Guardian, disse que o Brasil perdeu "uma grande oportunidade" com a Olimpíada. Paes citou os problemas enfrentados pela segurança pública no estado  e a crise política como exemplos de fatores que prejudicam a imagem do país num momento de grande visibilidade.

“Não existe divergência entre o governo federal e a prefeitura do Rio de Janeiro. O prefeito é responsável por suas opiniões e já esclareceu as suas falas e a que se referia. O prefeito não se referia à parceira com o governo federal”, disse Picciani. O ministro negou que haja atraso nos planos de ação do governo para os Jogos. “O que há são somente ajustes finais”.

O grupo de ministros que monitora as ações ligadas à Olimpíada passará a se reunir todas as terças-feiras até o fim do evento. Entre os ministros que participaram da reunião de hoje estavam Eliseu Padilha, da Casa Civil, Maurício Quintella, da Aviação Civil, Alberto Alves, do Turismo, e Fernando Coelho, de Minas e Energia.

Os Jogos Olímpicos serão disputados no Rio de Janeiro de 5 a 21 de agosto. Também no Rio, de 7 a 18 de setembro, serão realizados os Jogos Paralímpicos.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.