Publicidade
Cotidiano
Notícias

Governo quer parcerias científicas para estimular atuação da Embrapa

Ministra afirmou que a própria Embrapa está estudando o modelo para esse upgrade, que passa por uma grande aliança com instituições voltadas para pesquisa e inovação 17/06/2015 às 08:51
Show 1
Brasil dobrou produtividade no campo, diz a ministra da Agricultura, Kátia Abreu.
Marli Moreira - Repórter da Agência Brasil ---

O governo brasileiro pretende estimular a atuação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), de modo que o país possa aumentar ainda mais a produtividade agrícola. O anúncio foi feito hoje (16) pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, em palestra na abertura do 14º seminário Perspectiva para o Agrobusiness em 2015 e 2016, promovido pela BMF& Bovespa, em parceria com o ministério.

Ela informou que a própria Embrapa está estudando o modelo para esse upgrade, que passa por uma grande aliança com instituições voltadas para pesquisa e inovação. Segundo a ministra, a ideia é criar um fundo de captação de recursos internacionais com o propósito de desenvolver o setor.

“O Brasil e o único país que ainda tem terras agricultáveis e com 61% de áreas de preservação ambiental”, destacou Kátia Abreu. Segundo a ministra, com os recursos existentes, nos últimos dez anos, o país conseguiu dobrar a produtividade no campo.

De acordo com recente levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), só a produção de grãos da safra 2014/2015 deve crescer 5,6%, atingindo 204,5 milhões de toneladas. O incremento é equivalente a 10,9 milhões de toneladas. 

Na safra de 2013/2014, o volume alcançou 193,62 milhões de toneladas. A área plantada prevista é de 57,66 milhões de hectares, representando acréscimo de 1,1%.

As estimativas mostram ganho de 2,3 milhões de toneladas, puxado principalmente pelo crescimento na produtividade da soja e do milho da segunda safra. No caso da soja, estão previstos 96 milhões de toneladas, 11,5% a mais que as 86,1 milhões da safra passada. Quanto ao milho, são 49,4 milhões de toneladas, 2% a mais que na safra passada.

Durante o encontro, Kátia Abreu rebateu críticas sobre o uso de agrotóxicos. Ela esclareceu que o próprio volume de exportações mostra que não há exagero no uso de defensivos agrícolas, uma vez que as mercadorias embarcadas passam por exames fitossanitários rigorosos.

Em relação às aplicações, a ministra afirmou que o Brasil segue os padrões internacionais.


Publicidade
Publicidade