Terça-feira, 25 de Junho de 2019
CONFIANTE

Hackers de juízes e procuradores não vão interferir na missão de combater crime, diz Moro

Em sua publicação no Twitter, o ministro também voltou a defender a aprovação do projeto de lei anticrime enviado pelo governo ao Congresso



MORO_XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX_8638EF34-DB8D-411C-91DC-D73FA42CD6C1.JPG Foto: Reprodução/Internet
12/06/2019 às 10:09

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, afirmou nesta quarta-feira que invasões de hackers a juízes e procuradores não vão interferir na missão de reduzir os índices de criminalidade no país, após a publicação de reportagens que mostraram suposta colaboração entre o então juiz da Lava Jato e os procuradores da operação.

Moro comentou no Twitter a redução de casos de violência no país no primeiro bimestre apontada pelo Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp), em especial a queda de 23% nos homicídios dolosos, e acrescentou que “escândalos falsos” não vão interferir no trabalho.

“Hackers de juízes, procuradores, jornalistas e talvez de parlamentares, bem como suas linhas auxiliares ou escândalos falsos, não vão interferir na missão”, disse o ministro em uma sequência de publicações.

O site Intercept Brasil publicou no domingo reportagens que mostram suposta troca de mensagens entre Moro, então juiz federal responsável pela Lava Jato em Curitiba, e o coordenador da operação, Deltan Dallagnol. Com base no que diz serem arquivos recebidos de uma fonte anônima, o site mostra supostas conversas entre Moro e Dallagnol sobre decisões, andamento das investigações e sugestões de testemunhas. Moro e os procuradores da Lava Jato negam irregularidades.

Em sua publicação no Twitter, o ministro também voltou a defender a aprovação do projeto de lei anticrime enviado pelo governo ao Congresso, mas reconheceu a primazia dada tanto pelo Executivo como pelo Legislativo à reforma da Previdência, que é tratada como prioridade absoluta devido à situação de dificuldade das contas públicas.

Segundo Moro, a aprovação do pacote anticrime “ajudaria a aprofundar a queda” dos índices de violência.

Moro acrescentou que apesar das quedas registradas pelo Sinesp, que compila estatísticas criminais baseadas em boletins de ocorrência estaduais e distrital, é preciso trabalhar para a redução ser permanente e constante.

“Muitos fatores influenciam a queda, o mérito não é só do governo federal, mas também dos estaduais e distrital; e mesmo com a redução, os números ainda são altos, precisamos trabalhar muito mais”, afirmou.

*Por Pedro Fonseca.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.