Publicidade
Cotidiano
Notícias

Hemoam dobrará atendimentos com Hospital do Sangue no AM

Hospital está com 20% das obras concluídas e, apesar da lentidão, direção acredita que a credibilidade da fundação é um ponto positivo para aquisição de recurso federal 13/08/2015 às 11:46
Show 1
A coleta e distribuição de sangue são a base dos muitos serviços oferecidos.
Luana Carvalho Manaus

Há 33 anos, em uma sala de 30 metros quadrados do Hospital Getúlio Vargas, surgia a Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam). Hoje, instalada em uma área de 10 mil metros quadrados e atendendo em média 20 mil pacientes por mês, a fundação tem metas mais ousadas. “Em no máximo dois anos seremos o segundo Hospital do Sangue do Brasil”, declara o diretor-presidente, Nelson Fraiji.

O hospital está com 20% das obras concluídas. Apesar da lentidão por conta do cenário de crise financeira que o país vem enfrentando, Fraiji acredita que a credibilidade da fundação é um ponto positivo para aquisição de recurso federal.

“Nosso maior desafio hoje é a burocracia. Mas por sermos uma fundação que temos referência e respeito, o Governo Federal já fez uma liberação  num grau de 70 milhões para os projetos”.

Com a conclusão do novo hospital, a perspectiva é de que o número de atendimentos dobrem. Os serviços que hoje são demandados para o Sistema Único de Saúde (SUS), como internações em unidades de terapia intensiva e cirurgias, passarão a ser realizados no próprio hospital.   

Para o interior do Estado, serão construídos oito núcleos que funcionarão como uma espécie de mini-hemocentros. Ainda segundo Nelson, os municípios de Coari e Parintins  serão os primeiros a receberem os núcleos.

“Já temos projeto e recurso para a construção do núcleo em Coari e Parintins ainda este ano. Além desses, serão construídos mais quatro na calha do rio Amazonas, um em Humaitá e um em São Gabriel da Cachoeira”.  Os serviços oferecidos serão de coleta, distribuição de sangue para os  municípios vizinhos, além detransfusão e assistência de pacientes com anemia.

Na capital, o Hemoam fornece exames de laboratório de média e alta complexidade para os serviços do SUS, e também é responsável por toda a hemoterapia e banco de sangue do Estado. 

“O crescimento da instituição foi se dando na medida em que a demanda, tanto por transfusão, quanto pelo tratamento das doenças benignas e malignas do sangue, foi crescendo.  Nós fazemos o que precisa ser feito, independente da nossa capacidade operacional”.

Todas as leucemias agudas e crônicas,  linfomas e doenças hematológicas benignas podem ser tratadas na fundação, que recebe, além de pacientes do Amazonas, pessoas de toda a região Norte, principalmente do Estado do  Pará.

“As anemias são as doenças mais frequentes e muitas delas são assistidas no Hemoam, assim como as doenças que cursam com hemorragia. A leucemia é a doença que tem o maior peso na instituição por ser uma doença de prognóstico sombrio, traz junto à sociedade um estigma de doença fatal. Mas, das crianças acometidas pela doença, 85% conseguem cura. E entre os adultos, 60%”.

Homenagens

Em comemoração aos 33 anos, o Hemoam  realizará a cerimônia “Destaque do Ano”, quando serão homenageados parceiros, autoridades e servidores, que receberão diplomas por suas respectivas contribuições com o órgão, às 9h, no Cinemark do Studio 5 Festival Mall (Avenida General Rodrigo Octávio, Distrito Industrial, Zona Sul).

Publicidade
Publicidade