Publicidade
Cotidiano
Notícias

Hissa Abrahão quer disputar o governo em 2014

Em visita à CMM, vice-prefeito afirma ter pesquisa interna que lhe dá 30% da intenção de votos na capital. PPS está surpreso 23/07/2013 às 11:10
Show 1
Vice-prefeito de Manaus, Hissa Abrahão (PPS), pré-candidatura na rua
kleiton renzo ---

Há menos de sete meses acumulando os cargos de vice-prefeito de Manaus e secretário de Infraestrutura (Seminf), o ex-vereador Hissa Abrahão (PPS), foi nesta segunda-feira (22) à Câmara Municipal de Manaus (CMM), anunciar que no dia 31 de março de 2014 se desincompatibilizará do Executivo municipal para entrar na campanha pelo Governo do Estado pelo PPS. O vice-prefeito disse ter uma “pesquisa interna” dando 30% das intenções de voto para ele na capital.

“Em 31 de março eu devo me desincompatibilizar e devo sair da secretaria. E aí sim a gente vai trabalhar em cima de uma candidatura. Mas isso é pro ano que vem e vamos deixar esse assunto para o ano que vem”, disse ontem o vice-prefeito após apresentar no plenário da Câmara Municipal de Manaus (CMM) um balanço dos primeiros seis meses à frente da Seminf à convite do vereador Carlos Almeida (PRB), pastor da Assembleia de Deus.

A legislação eleitoral permite ao vice-prefeito se afastar do cargo para concorrer a outro mandato eletivo. A mudança dessa regra é uma das pauta nas diversas manifestações pela reforma política ocorridas no País. Em 2010, quando era vereador na CMM, o vice-prefeito testou sua capilaridade eleitoral na campanha para governador e ficou em terceiro lugar com 138,2 mil votos. A maior concentraçãode eleitores foi em Manaus com 126.955 mil votos, enquanto no interior teve 11.309 mil votos.

Nas eleições de 2014, o vice-prefeito afirmou que sairá candidato pelo PPS ou pelo “Mobilização Democrática”, partido que está com a criação em dúvida pelas lideranças do PPS e do PMN em nível nacional, ou por outra fusão.  “Segundo o presidente do PPS Roberto Freire a fusão irá acontecer de qualquer jeito. Podendo não ser nem PPS e PMN, mas PPS e outro. E a candidatura pode vir pelo PPS ou pela fusão (com outro partido)”, disse Hissa.

Confrontado com as informações do vice-prefeito o vereador Professor Samuel (PPS), líder do partido na Câmara Municipal de Manaus, disse que Hissa não é o nome do partido para a eleição. “Nós temos dentro do PPS nomes muito fortes e não podemos negar que Hissa Abrahão é um deles. Mas ainda estamos conversando com as lideranças e buscando opiniões para chegar a essa definição”, comentou Samuel.

Nesta segunda-feira, o vice-prefeito se mostrou otimista “com pesquisa interna” que o coloca com 30% das intenções de votos em Manaus. “Eu já fui candidato a governador uma vez. Nós começamos com 0% e terminamos com 15% e agora as pesquisas internas dizem que a gente tem 30% em Manaus. Pesquisa nossa. Encomendada. E não são essas publicadas, não. Então agora fica para as pessoas avaliarem”, disse Hissa.

Nas eleições de 2010, quando 883.978 mil pessoas votaram em Manaus, os 30% citados por Hissa correspondem 261,1 mil eleitores. A reportagem tentou ouvir o presidente estadual do PPS, Guto Rodrigues, mas as chamadas para o número 9614-xx94 não foram atendidas.

Declaração surpreende PSDB

Os vereadores Mário Frota e Bosco Saraiva, da base do prefeito Artur Neto, ambos do PSDB, disseram ontem que o partido desconhecia a decisão do vice-prefeito Hissa Abrahão (PPS). “Ele disse isso agora? Pra vocês?”, questionou Mário Frota. “É um direito dele. Ele não perde nada. Porque ele não precisa renunciar ao mandato. No dia 8 de outubro, se perder, ele volta pra prefeitura. Mas o PSDB ainda não discutiu. É um direito dele e há essa possibilidade, mas ainda estamos analisando”, disse Frota. “O PSDB só vai discutir isso (eleições para o  governo estadual) no momento oportuno. Agora é momento de trabalhar”, disse o presidente da CMM, Bosco Saraiva.

Outro que não sabia da intenção do vice-prefeito foi o líder do prefeito, Wilker Barreto (PHS). “Essa parte aí eu perdi. O Hissa não perde nada”, comentou.

Omar ensaia com Rebecca e Melo

Em março, numa entrevista a A CRÍTICA, o vice-governador José Melo (PMDB) anunciou a intenção de disputar as eleições em 2014 para o Governo do Estado. “As candidaturas serão postas no momento certo das convenções. No entanto a lei me permite falar das minhas intenções. Muita gente sonha em ser governador do Estado e eu sou um deles”, disse Melo.

De lá pra cá o vice-governador divide com a secretária de Governo, a deputada federal licenciada Rebecca Garcia (PP), as atenções do governador Omar Aziz (PSD). Há três semanas A CRÍTICA mostrou que Omar pode estar bancando as duas pré-candidaturas ao colocar Rebecca na linha de frente do Governo em Manaus enquanto Melo recebe lideranças e políticos do interior do Estado. A estratégia de Omar lhe daria capital político na hora em que todas as cartas forem colocadas na mesa para decidir os grupos que disputarão as eleições e lhe garantirão apoio à candidatura dele ao Senado.


Publicidade
Publicidade