Publicidade
Cotidiano
Notícias

HIV/Aids cresce até 7% ao ano entre os jovens no Amazonas

Doença avança rapidamente no Estado e só no ano passado foram diagnosticados 1859 novos casos 18/02/2016 às 18:15
Show 1
Campanha vai estimular o amazonense a fazer o teste rápido
SILANE SOUZA Manaus (AM)

Os casos de HIV/aids entre jovens de 15 a 24 anos, no Amazonas, vem aumentando gradativamente em torno de 5% a 7% a cada ano. Em 2014, por exemplo, esse grupo representou 26,8% do total de novos casos em relação às demais faixas etárias. Esse cenário não é constatado apenas no Estado, mas em todo o País, de acordo com a coordenadora estadual de DST/Aids e Hepatites Virais, Silvana Lima, o que se faz necessário avançar ainda nas ações de prevenção e diagnóstico precoce da doença.

No caso do Amazonas, Silvana explica que essas ações são ainda mais necessárias porque há uma alta taxa de mortalidade em relação a HIV/Aids. O Estado é o quarto no ranking nacional com maior índice de mortes relacionada à doença, atrás do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Rio de Janeiro. “Em média, ocorrem de 210 a 212 óbitos por ano. Número elevado porque as pessoas não estão se prevenindo, além disso, deixam para procurar atendimento quando a doença está avançada”, comenta.

Para ajudar no enfrentamento à epidemia e o diagnóstico precoce de HIV/Aids e das Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) como sífilis e hepatites, será lançado hoje (19), às 10h, no Centro de Convivência da Família Padre Pedro Vignola, bairro Cidade Nova, Zona Norte, o projeto “Viva Melhor Sabendo Jovem”, que tem a faixa etária entre 15 e 24 anos como público prioritário. A iniciativa é do Governo do Amazonas e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), em parceria com a Prefeitura de Manaus.

Durante o evento será apresentado o novo visual da Unidade Móvel da Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), desenvolvido especialmente para o “Viva Melhor Sabendo Jovem” e hoje, como primeira ação do projeto, a unidade ficará posicionada no Centro de Convivência da Família Padre Pedro Vignola, das 10h às 16h, realizando o trabalho de testagem de HIV, Sífilis e Hepatites e aconselhamento.

Silvana destacou a importância de as pessoas realizarem o teste rápido, visto que, o diagnóstico precoce e o tratamento são fundamentais para que um HIV positivo tenha uma qualidade de vida melhor. “Hoje é mostrado por meio de trabalhos científicos que além de controlar o vírus, o tratamento possibilita melhor qualidade de vida, a pessoa não fica tão debilitada como vínhamos no início da epidemia. Mas a Aids ainda não tem cura, tem tratamento, que uma vez iniciado é para o resto da vida”, salientou.

Para ela, a proposta do projeto desenvolvido em parceria com o Unicef e o apoio da Secretaria Municipal de Saúde  (Semsa) e outras instituições estabelecerá uma aproximação maior entre os jovens e o sistema de saúde, uma das formas de garantir que este público tenha mais acesso à informação, às medidas de prevenção, ao diagnóstico precoce e, nos casos de resultados positivos para o HIV ou demais infecções sexualmente transmissíveis, ao tratamento adequado e no tempo correto.
“A Unidade Móvel do “Viva Melhor Sabendo Jovem” passará a desenvolver uma programação mensal, que levará os testes rápidos de HIV, Sífilis e Hepatites a locais estratégicos, previamente definidos, para ampliar o acesso dos jovens de 15 a 24 anos a estes exames”, frisou Silvana.

Em números

1.859 novos casos de Aids foram notificados no Amazonas, em 2015, de acordo com dados da coordenação estadual de DST/Aids e Hepatites Virais, vinculada a Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), da Secretaria Estadual de Saúde  (Susam).

Frase

“Só na capital há 70 UBSs, que fazem testes rápidos de IST/HIV/Aids e Hepatites Virais. O resultado sai em 1h a 1h30”.
Silvana Lima. coord. estad. de DST/Aids e Hepatites Virais

Saiba mais

Em Manaus, a articulação institucional para execução do “Viva Melhor Sabendo Jovem” envolve, ainda, instituições como as secretarias de estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), e de Educação (Seduc) e a Rede de Amizade e Solidariedade às Pessoas que Vivem com HIV/Aids, ONG implementadora do projeto.

Campanha estimula teste rápido

Além de promover o enfrentamento à epidemia e o diagnóstico precoce de HIV, sífilis e hepatites, entre adolescentes e jovens com idade de 15 a 24 anos, o “Viva Melhor Sabendo Jovem”, também visa estimular esses grupos a realizarem testagem, adesão ao tratamento do HIV/aids e promover a educação entre pares, de acordo com o coordenador do projeto Ephraim Lisboa.

Ele destacou que para realizar as atividades previstas, 40 adolescentes e jovens inscritos no projeto tiveram a primeira formação sobre Prevenção as IST/HIV/Aids e Hepatites Virais, (redução de riscos; testagem/diagnóstico; adesão e tratamento), em janeiro deste ano. O segundo Módulo, que abordará sexualidade, gênero, orientação sexual e diversidade, será realizado a partir da segunda quinzena de março deste ano.

“No decorrer do ano, nós vamos circular por vários pontos da cidade por meio da unidade móvel nos locais onde houver maior concentração de adolescentes e jovens, levando informações e ofertando testagens para IST/HIV/Aids e Hepatites Virais. Também vamos possibilitar encontros e conversas que respeitam e promovem os direitos sexuais e reprodutivos na prevenção das IST/HIV/Aids, Sífilis e Hepatites Virais”, disse.


Manaus entre as cidades engajadas

A capital amazonense é a 5ª cidade do País a adotar o projeto “Viva Melhor Sabendo Jovem”, de acordo com o gerente da Plataforma Amazônia Unicef, Unai Sacona. Conforme ele, a iniciativa está funcionando em Fortaleza (CE), Porto Alegre (RS), São Paulo (SP) e Belém (PA).

Unai disse que o projeto é uma resposta ao compromisso firmado por prefeituras do mundo todo com a Declaração de Paris, em 1º de Dezembro de 2014, Dia Internacional de Luta contra a Aids e tem por objetivo o compromisso para que cidades do mundo inteiro acelerem ações e respostas a esta epidemia.

 “A meta é, até 2020, todos os governos signatários conseguirem fazer com que 90% das pessoas vivendo com HIV saibam que têm o vírus; 90% das pessoas que sabem que tem o HIV estejam recebendo tratamento antirretroviral; e destas, 90% em tratamento antirretroviral tendo carga viral indetectável”, observou.

Conforme Unai, centenas de prefeitos já assinaram a declaração. No Brasil, pelo menos cinco prefeitos de grandes cidades se comprometeram, entre eles, o prefeito de Manaus, Arthur Virgilio Neto, em dezembro de 2015.


Publicidade
Publicidade