Publicidade
Cotidiano
Notícias

Homem é investigado por torturar cachorro vira-lata em rua de Presidente Figueiredo (AM)

Após atropelar o animal, o agente de limpeza do município amazonense alegou que jogou o cachorro no coletor do caminhão de lixo pois ele estava muito ferido e precisava ser sacrificado, mas testemunhas ficaram espantadas com a "crueldade". Ele responderá pelo ato em liberdade 29/05/2015 às 19:01
Show 1
Jadson assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e vai poder responder ao processo em liberdade
Kelly Melo Manaus (AM)

Um agente de limpeza do município de Presidente Figueiredo (a 107 quilômetros de Manaus) está sendo investigado pela Polícia Civil por ter torturado um cachorro vira-lata. Ele foi denunciado nas redes sociais por ter atropelado o animal e ainda de tê-lo jogado no coletor de lixo. 

O crime teria acontecido na semana passada, no bairro José Dutra. O agente, identificado como Jadson James França, de 35 anos, era o motorista do caminhão de lixo e atropelou o animal que estava na calçada. Minutos depois, ele parou o veículos, desceu do carro e pegou o animal, ainda vivo, e o jogou na parte de trás do caminhão.  

As imagens foram gravadas por moradores próximos. O cão não sobreviveu aos ferimentos. O prefeito do município, Neilson da Cruz (PSB) informou ao A CRÍTICA que o servidor já foi demitido.


De acordo com o prefeito, além da demissão de Jadson, a empresa também foi notificada e multada. Ele também criticou a postura das pessoas que presenciaram o crime. “As pessoas ficaram mais preocupadas em gravar do que salvar os animais. Isso é um absurdo”, disse.

Investigação

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil no município. De acordo com o delegado Valdnei Antônio Silva, Jadson assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e vai poder responder ao processo em liberdade. Ele foi indiciado na última terça-feira pelo crime de maus-tratos com o agravante da morte do animal. 

Em depoimento, o suspeito teria afirmado que jogou o cachorro no caminhão porque ele já estava muito ferido e seria sacrificado de qualquer forma. Além disso, o delegado desmentiu os boatos de que o animal teria sido triturado pelo coletor e afirmou que, com base no depoimento de um agente ambiental, o cão chegou com vida no lixão da cidade, mas devido os ferimentos graves, acabou morrendo horas depois. Pena branda

Leia mais na edição do Jornal A Crítica deste sábado (30)

Publicidade
Publicidade