Publicidade
Cotidiano
SAÚDE PÚBLICA

Hospital Getúlio Vargas sedia 2° Mutirão Nacional que visa atenuar espera do SUS

Ação está sendo realizada nesta quarta (31) e tem o objetivo de reduzir a demanda reprimida na rede do SUS 31/05/2017 às 15:37
Show gilson
Foto: Gilson Melo
Paulo André Nunes Manaus (AM)

O Hospital Universitário Getúlio Vargas da Universidade Federal do Amazonas (HUGV-Ufam) está sediando nesta quarta-feira (31) o 2º Mutirão Nacional da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), uma oportunidade de atendimento médico fugindo da longa espera do Sistema Único de Saúde (SUS).

A iniciativa, com expectativa de recorde de mais de 8 mil procedimentos nos 39 hospitais universitários federais filiados nas cinco regiões do País tem o objetivo de reduzir a demanda reprimida nas unidades e na rede do SUS e mudar a vida de muitas pessoas, como na primeira edição do evento realizado em novembro do ano passado.

Sofia Lira do Espírito Santo, de 5 anos, veio ao mutirão com a mãe Maria Eduarda Cardoso Lira, 33. A menina nasceu com uma má formação congênita chamada atresia, que gerou problemas respiratórios e imunológicos, além de refluxos e comprometimento da visão, fala e audição. “Pense numa benção: agora dá pra tratar da Sofia. Aqui ela está tendo acompanhamento de gastro, fono, otorrino e outros”, comentou ela.

A otorrinolaringologista Nina Raisa Brock, professora de Medicina da Ufam, comentou sobre o mutirão.

“Nós sabemos que problemas de perda auditiva são muito comuns e é muito importante nós estarmos fazendo essa ação, porquê não são só atendimentos, mas oferecendo atendimento de alta qualidade: além das consultas com especialistas, também estamos realizando exames que são realmente de difícil acesso. Então, nós disponibilizamos exames da parte da audiometria, imitanciometria, otoemissões (“teste da orelinha”), processamentos  auditivos e, inclusive, partes de reabilitação vestibular, que já traria problemas relacionados à tontura. Estamos trabalhando com uma equipe multidisciplinar de otorrinos, acadêmicos de medicina, fonoaudiólogos, técnicos de enfermagem, para oferecer o melhor tratamento para os nossos pacientes”, comentou a médica.

Estatal vinculada ao Ministério da Educação, a Ebserh administra atualmente 39 hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

O órgão, criado em dezembro de 2011, também é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações nas 50 unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.                       

Publicidade
Publicidade