Domingo, 17 de Novembro de 2019
Notícias

Hospital Pronto-Socorro João Lúcio passará por mudanças

O Sindicato dos Médicos do Amazonas realizou uma fiscalização no Hospital e Pronto-Socorro e encontrou uma série de problemas a serem sanados



1.jpg Conforme o Simeam, o uso de macas nos corredores é um dos problemas apontados e reconhecidos pela direção
28/07/2015 às 10:00

O Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam) deve entregar, nesta semana, ao diretor do Hospital Pronto-Socorro João Lúcio e a Secretaria de Saúde do Estado (Susam) um relatório de conclusão da fiscalização que ocorreu na última sexta-feira (24).

O Simeam detectou que, além da falta de leitos, o hospital apresenta problemas sérios com a infraestrutura e não possui material básico de segurança hospitalar suficiente para todos os funcionários.



O presidente do Simeam, Mário Viana, informou que a Susam terá um prazo de 45 dias para realizar as correções no João Lúcio para que o hospital ofereça condições física de trabalho aos médicos e enfermeiros e possa atender de forma adequada a população. Caso, após o prazo estipulado no relatório, o hospital permanecer com as irregularidades, o Simeam promete oferecer uma denúncia formal ao Ministério Público do Estado (MPE).

“Depois do prazo, retornaremos ao hospital para realizar uma nova visita, e caso os problemas continuem, vamos ter que tomar decisões mais burocráticas, pois estamos tratando de um serviço voltado para a saúde pública e o hospital não pode continuar do jeito que está. Sabemos que estamos passando por uma crise financeira, mas a saúde sempre deve estar em primeiro lugar”, reforçou o sindicalista.

Mário Viana contou que a situação da superlotação, considerada crônica no hospital, não é o único problema. “Há leitos espalhados por todos os corredores, vimos pacientes em macas sem nenhuma condição, não há colchões e muito menos um lençol”, detalhou.

O presidente explicou que o problema da lotação no João Lúcio ocorre por causa de falta de equipamento adequado para a realização dos exames, como é o caso do exame de angiografia, cuja única máquina que funciona para realizar o exame está no Hospital Universitário Francisca Mendes, mas por causa de uma sobrecarga da demanda, uma peça do maquinário quebrou. “Há pacientes internados há mais de quatro meses só no aguardo deste exame”, disse.

Além desses problemas, Viana disse que o hospital está com uma estrutura precária e aparenta não ter passado por manutenção no prédio, que há 16 anos atende a população da capital e do interior. “Mesmo com esses problemas, o João Lúcio é um hospital referência na região Norte no atendimento a traumas e é o único que possui todas as especialidades médicas”, afirmou. “Realizamos esta fiscalização para que o serviço possa melhorar, mostramos a nova direção da secretaria que estamos abertos para o diálogo, pois sabemos das dificuldades”, completou Mário Viana.

O presidente informou que outras fiscalizações estão previstas até final deste ano para outros hospitais da rede pública de saúde e informou que no próximo ano esta fiscalização vai se estender para as redes particulares.

As unidades de saúde da rede privada ainda não passam por este procedimento de fiscalização em função de brechas nas legislações.

Relatório

O diretor do Hospital Pronto-Socorro João Lúcio, Felizardo Monteiro, informou que precisa ter em mãos o relatório do Sindicato dos Médicos do Amazonas para poder se pronunciar.

Monteiro contou que desde a inauguração do João Lúcio o hospital tem macas nos corredores. “Ao todo são 80 macas que estão no corredor e estamos readequadando a estrutura para retirarmos 60 delas”, disse.

O diretor informou que a readequação começa a partir da próxima semana. “Reformamos as Unidades de Tratamento Intensivo, que eram as áreas mais críticas, e agora vamos dar a continuidade do serviço no resto do hospital”, explicou.

Sobre a lotação do hospital, Monteiro explicou que o problema ocorre em todo o País, por falta da atenção básica à saúde. “Os hospitais eram preparados para atender as doenças crônicas e hoje nosso índice maior está nas doenças agudas”, disse.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.