Sábado, 24 de Agosto de 2019
SAÚDE

Hospital Santa Júlia dispõe de pronto-socorro especializado em ginecologia e obstetrícia

Missão do departamento é oferecer um serviço acolhedor e humanizado às mulheres, desde fases como a primeira consulta até o parto



gineco.JPG Foto: Jair Araújo
11/03/2018 às 18:02

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o Amazonas é o líder no ranking brasileiro em casos de câncer de colo de útero causado pelo HPV (human papiloma vírus). Só em 2016, foram registradas 250 mortes no Estado em decorrência da doença, conforme dados da Fundação de Vigilância em Saúde. 

Diante dos fatos, surge  a preocupação quanto à visita anual da mulher ao ginecologista para a prática da medicina preventiva. De acordo com o médico ginecologista-obstetra Airton Rafael, do Hospital Santa Júlia, é recomendado que as consultas com o especialista iniciem logo após a primeira menstruação. “Para saber sobre as mudanças que estão ocorrendo no corpo e ter orientações ginecológicas em geral. Ressaltamos a importância do acompanhamento anual, principalmente  a partir do momento que se inicia a atividade sexual, onde colhemos o preventivo para prevenção do câncer de colo de útero, que no Amazonas é o número um nos casos, justamente porque as mulheres não fazem um acompanhamento do jeito que deveria ser”, aponta.

Para facilitar esse acompanhamento, o Hospital Santa Júlia dispõe de um pronto-atendimento especializado em Ginecologia e Obstetrícia, cuja missão é oferecer um serviço acolhedor e humanizado às mulheres, desde fases como a primeira consulta até o parto. 

O coordenador do serviço explica que o atendimento está em atividade há nove meses, e em média são realizados 800 atendimentos  por mês. Com uma equipe de 40 médicos, o pronto-socorro do Hospital está apto a receber a mulher em qualquer situação. “É o único pronto-socorro da rede privada. Nosso diferencial é o atendimento ginecológico de urgência àquela mulher que está com algum problema de dor pélvica, endometriose, entre outros casos em que ela só conseguiria uma consulta para daqui a duas semanas. Aqui ela consegue  de imediato”, explica ele.

 Segundo Airton Rafael, o atendimento dispõe de serviços de UTI até neonatal 24h. “Na obstetrícia dispomos de um serviço acolhedor para a gestante que nos procura. No serviço ginecológico temos cirurgias de urgência por videolaparoscopia, que é minimamente invasiva. É importante ressaltar que quase não utilizamos mais as técnicas de cirurgia abdominal convencionais. Além disso, dispomos da parte ambulatorial de segunda a sábado”, finaliza o médico.

Cumprimento da Lei do Acompanhante

Segundo o médico ginecologista Airton Rafael, no Hospital Santa Júlia é feito todo tipo de pré-natal, desde os de riscos habituais aos de auto-risco. “Temos o suporte da equipe de laboratório, ultrassonografia, ressonância e etc.”, frisa. Segundo ele, o intuito do local é proporcionar à mulher tudo que ela precisa sem ter que sair do Hospital. Ele afirma que na ginecologia o serviço preza pelo parto humanizado.  Entre os diferenciais está o cumprimento  da Lei Federal nº 11.108, de 7 de abril de 2005, conhecida como Lei do Acompanhante, que dá o direito à mulher ser acompanhada  pelo marido  ou doula.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.