Publicidade
Cotidiano
S. Isabel do Rio Negro

Idosa com Alzheimer é encontrada morta dois meses após desaparecer no Amazonas

Margarida, de 66 anos, sumiu no dia 24 de julho no município de S. Isabel do Rio Negro e foi encontrada em um sítio afastado da cidade, porém sem sinais da causa do óbito 20/09/2016 às 15:06 - Atualizado em 20/09/2016 às 16:24
Show show ded45330 fe38 4cd2 8521 4155f626211f
Os familiares acreditam que a idosa foi estuprada e era mantida em cárcere privado (Divulgação)
Vinicius Leal Manaus (AM)

Foi encontrada morta na manhã de ontem, segunda-feira (19), no município de Santa Isabel do Rio Negro (630 quilômetros em linha reta de Manaus), a idosa Margarida dos Santos Frutuoso, de 66 anos, que estava desaparecida há cerca de dois meses da cidade. Ela sofria de Alzheimer e sumiu no dia 24 de julho deste ano, após sair de casa para ir a uma igreja e não retornar.

O corpo, segundo a família, estava sem sinais da causa do óbito – sem perfuração por arma de fogo ou de faca – dentro de um sítio usado para fabricação de farinha na zona rural do município, distante duas horas do aeroporto, que fica a três quilômetros do perímetro urbano. “A moradora desse sítio estava há dois meses sem ir lá, e hoje (ontem) ela foi e se deparou com o corpo”, disse Simone Frutuoso Catarine, 26, sobrinha da vítima.

Segundo os parentes, policiais que foram ao local do crime disseram que o corpo estava bem conservado, aparentemente em óbito há pouco tempo. “Só o cabelo e os olhos que caíram. O policial achou que fazia uma semana da morte dela, mas a gente não tem como comprovar nada. Eu não fui pessoalmente lá, só vi por foto. Ela parecia estar com roupa normal, mas a saia levantada e sem calcinha, os braços e pernas abertos”, falou.

Os familiares também acreditam que a idosa foi estuprada e possivelmente era mantida em cárcere privado. “Provavelmente foi estupro ou alguém mantendo ela lá. Ela sofria de Alzheimer e não conseguia fazer certas coisas, ela dependia de alguém. Acreditamos que alguém a mantinha lá pelo fato de ter uma rede, panelas, aparentemente ter comida”, comentou a sobrinha, Simone Frutuoso.

Falta de apoio

O corpo da idosa foi resgatado por PMs e brigadistas. Entretanto, a vítima foi enterrada sem confirmação da causa de morte. “A gente não sabe, está sem resposta para isso. O delegado não se encontrava na cidade, estava de férias. Não teve procedimento. Fizeram só B.O. e parou por isso mesmo. Fizeram buscas na época, mas deram como caso perdido”, reclamou a sobrinha.

A família também reclamou da falta de apoio das autoridades locais para a solução do caso. “O capitão (do Corpo de Bombeiros em Manaus) chegou a liberar bombeiros e cães para ir fazer o resgate no município, mas dependia do transporte, o que foi negado pelos políticos daqui. E ficou por isso mesmo”, reclamou a sobrinha, Simone Frutoso.

A idosa Margarida dos Santos Frutuoso, 66, sumiu no dia 24 de julho após sair de casa para ir a uma igreja, desviou o caminho e não retornou. Ela foi vista pela última vez entrando em um ramal próximo ao aeroporto. “O guarda do aeroporto chegou a conversar com ela. Foi a última vez que ela foi vista”. Com Alzheimer, a idosa era viúva e vivia com os seis filhos.

Polícia Civil

Em resposta, a Polícia Civil informou que “não houve descaso (nas investigações), pois as buscas foram solicitadas à Defesa Civil do Estado e ao Corpo de Bombeiro”. Conforme o órgão, o delegado Aldiney Nogueira, responsável pelo município, atuava no caso junto com a equipe de investigação. “Apesar de não haver perito, foi nomeada uma médica para prestar serviço necroscópico ao corpo e não foi constatada causa pelo motivo de decomposição”, disse.

Publicidade
Publicidade