Reencontro

Em Manaus, idosa vai se vacinar e acaba reencontrando a família após 40 anos

O reencontro aconteceu após uma força-tarefa de servidores da Secretaria de Estado da Assistência Social (Seas), que se mobilizaram para localizar a família de Zuíla

Portal A Crítica
13/08/2021 às 13:03.
Atualizado em 08/03/2022 às 23:56

(Foto: Divulgação)

Após 40 anos sem notícias, a idosa Zuíla Sena, de 61 anos, finalmente reencontrou sua família. Isso foi possível após uma força-tarefa de servidores da Secretaria de Estado da Assistência Social (Seas), que se mobilizaram para localizar a família de Zuíla. O encontro aconteceu nesta quinta-feira (12/08), em Manaquiri (distante 60 quilômetros de Manaus).

Zuíla Sena nasceu em 1959 e morava na Feira da Banana, no Centro de Manaus. Vítima de violência e com o início da pandemia da Covid-19, no ano passado, ela foi até o Abrigo Emergencial da Arena Amadeu Teixeira, sem documentos e sem lembranças de onde estariam seus familiares. No entanto, ela se apresentou à equipe técnica da Seas como Maria Bernardo da Silva.

A partir daí, começaram as buscas para descobrir as origens da idosa. Com o encerramento do abrigo na Arena Amadeu Teixeira, ela foi encaminhada para a Casa do Migrante Jacamim, localizada no bairro Flores. O abrigo é vinculado ao Departamento de Proteção Social Especial (DPSE) da Seas, e acolhe pessoas em situação de vulnerabilidade social, onde recebia moradia, comida e atenção psicológica.

“Tentamos localizar informações e dados utilizando o nome que ela nos deu e descobrimos que, na verdade, esse era o nome da tia dela, que mora em Manaquiri e nos disse que tinha uma sobrinha chamada Zuíla, cuja última informação que teve foi que estava morando justamente na feira. Dona Zuíla não tinha contato com a família há 40 anos e estava em situação de rua. Durante esse período, foi vítima de violência diversas vezes, o que comprometeu sua saúde mental, além de ter perdido toda a sua documentação”, explicou a coordenadora do abrigo, Silvana Barroso.

Agora com a família localizada e documentos novos em mãos, a Seas fez uma nova força-tarefa. Depois de um ano de acolhimento, a missão era levar Dona Zuíla até sua tia e irmãos em Manaquiri, onde daria início a uma nova etapa de sua vida.

“Há muito tempo não tínhamos notícias dela. Até a secretaria entrar em contato, achávamos que estava morta.  Só temos a agradecer por ela estar conosco novamente, em um lar, com todos os cuidados que precisa”, disse a tia, Maria Bernardo.

Para a coordenadora do abrigo, a sensação é de missão cumprida. “Não há melhor lugar do que nossa casa e família. É gratificante vermos que o nosso trabalho deu frutos. Dona Zuíla passou um ano no Jacamim, superou a situação de vulnerabilidade social e agora está com sua família. Garantir a dignidade e o fortalecimento do vínculo familiar fazem parte da política de assistência social. Isso faz nosso trabalho valer a pena”, completou Silvana Barroso.

Assuntos
Compartilhar
Sobre o Portal A Crítica
No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.
© Copyright 2022Portal A Crítica.Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por
Distribuído por