Publicidade
Cotidiano
CONSCIENTIZAÇÃO

Informações sobre o Aedes são passadas nas escolas e no seio familiar

Comunidade escolar vêm se mobilizando para combater o mosquito Aedes aegypti e trabalhar na manutenção de ambientes limpos 07/04/2016 às 04:30
Show 20
Aleyandra e Hudiely orientam os familiares quanto aos males do Aedes (Antonio Lima)
Náferson Cruz MANAUS

O que se aprende na escola, se compartilha em casa. É com esse pensamento que gestores educacionais junto aos estudantes, professores, familiares e toda a comunidade escolar vêm se mobilizando para combater o mosquito  Aedes aegypti e trabalhar na manutenção de ambientes limpos.

Para Isana Pantoja Machado, diretora da Escola Municipal Marechal Cândido Rondon, no bairro Tarumã, na Zona Oeste, as crianças são fundamentais na propagação das informações sobre o vetor da Dengue, Zika e Chikungunya, principalmente no âmbito familiar. “Elas são peças chaves na mobilização, não só por levarem as informações para casa, mas na formação de uma sociedade mais consciente no futuro”, comentou a diretora.

A “Cândido Rondon”  é uma das muitas escolas que vem aderindo o plano para refrear a proliferação do Aedes aegypti. Uma das formas para repassar o conteúdo sobre a importância de se combater o mosquito, são as “peças” temáticas apresentadas pelos alunos sobre as várias situações do cotidiano e a participação das famílias nesse tipo de ação. “Precisamos motivar a comunidade escolar a ter acesso a todas as informações necessárias no combate e à adoção de práticas para a manutenção do ambiente escolar e residencial, limpos e seguros”, ressaltou a diretora Isana Pantoja.

Aleyandra Oliveira Neves tem 11 anos e cursa o 6º ano na Escola Municipal Marechal Cândido Rondon. Entre as atividades curriculares, a estudante tem aprendido sobre o mosquito. “Eu aprendi sobre como se prevenir contra o Aedes aegypti e que não podemos deixar água parada, que é onde ela está acostumado a pôr os ovos”, explica Aleyandra.

Entre as tarefas que Hudiely Jati, de 12 anos, também do 6º ano, fez na escola, ela aprendeu a fazer que é preciso manter o ambiente de casa limpo e não deixar que recipientes  acumulem água. “Após retirar a água de locais que acumulam o líquido, jogamos terra, também não podemos esquecer que o mosquito transmite o vírus da Zika e complica a gestação e também, o bebê”, comentou a estudante.

Na última segunda-feira (4), estudante das escolas estaduais Isaac Benzecry e Professora Roxana Pereira Bonessi, localizadas no bairro Colônia Oliveira Machado, na Zona Sul, saíram pelas principais ruas do bairro em campanha contra o Aedes. O movimento foi coordenado pela Unidade Básica de Saúde (UBS) daquela localidade.

Mobilização de combate ao ‘Aedes’ em alusão ao Dia Mundial da Saúde

Outra prova do empenho das unidades escolares no combate ao Aedes aegypti, deve ocorrer na manhã de hoje,  na Escola Municipal Vicente de Paula, no bairro Japiim, na Zona Sul, quando os estudantes e professores participam de uma mobilização em alusão ao Dia Mundial da Saúde.

O ato conta com a participação de um representante do Ministério da Saúde (MS). Até o fechamento desta edição, o nome do representante do governo federal não foi informado.

O Dia Mundial da Saúde será comemorado, com uma mobilização na praça Heliodoro Balbi (antiga Praça da Polícia), no Centro de Manaus, das 8h às 12h, com ações de combate ao Aedes aegypti e estímulo a hábitos de vida saudáveis. A ação vai incluir panfletagem e atividades de Educação em Saúde com foco na promoção da alimentação saudável, de atividades físicas, de prevenção ao tabagismo, dengue, zika vírus e febre chikungunya.

Mais de 7 mil capacitados

Desde a implantação do Centro Integrado de Operações Conjuntas da Saúde (Ciocs), em janeiro deste ano, mais de 7 mil voluntários foram capacitados, totalizando 1.497 brigadas implantadas na capital para combater o Aedes.

Publicidade
Publicidade