Sábado, 20 de Julho de 2019
SAÚDE

Instituto da Criança deve se tornar referência no tratamento do Pé Torto Congênito

Má formação que faz com que o bebê nasça com os pés torcidos, o problema atinge, em média, 16 crianças a cada mil nascidas vivas



48.jpg Foto: Reprodução/internet
20/12/2017 às 16:49

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) deve transformar o Instituto de Saúde da Criança do Amazonas (Icam) em referência no tratamento do Pé Torto Congênito. Caracterizado como uma má formação que faz com que o bebê nasça com os pés torcidos ou invertidos, o problema atinge, em média, 16 crianças a cada mil nascidas vivas.

De acordo com o secretário de Estado de Saúde, Francisco Deodato, além do atendimento aos pacientes, o Icam vai oferecer uma especialização na área aos servidores do instituto. O projeto que vai transformar o Icam em referência no tratamento do Pé Torto Congênito será lançado, nesta sexta-feira (22), às 15h, no Instituto da Criança.

O ortopedista Paulo Su, responsável pela elaboração do projeto, observa que quanto mais cedo for realizado o tratamento, melhores serão os resultados. “Quanto mais cedo tratar, mais teremos a chance de 100% de correção, inclusive sem a necessidade de intervenção cirúrgica. A cirurgia é feita somente em casos extremos”.

Deformidade

O ortopedista explica que o Pé Torto Congênito é uma deformidade que envolve ossos, músculos, tendões e vasos sanguíneos. Existem vários tipos de pés tortos congênitos, com diferentes graus de deformidade e diferentes mecanismos de correção e cura.

A deformidade pode ser diagnosticada ainda antes do nascimento, através da ultrassonografia, desde que o feto exiba adequadamente os pés. Em geral, o pé torto congênito é facilmente reconhecido pelos pais e pelo pediatra depois do nascimento.

O Icam trabalha para iniciar os atendimentos em janeiro de 2018, assim como o programa de especialização. A meta é atender, em média, 15 crianças por semana. “O objetivo é erradicar o problema na população infantil. É chegar e dizer: não existe mais criança com o pé torto”, afirma o ortopedista.

Os pacientes serão encaminhados para o instituto pelo Sistema de Regulação, que agendará a primeira consulta para iniciar o tratamento. “Chegou lá, marcou a cirurgia, vai ser atendido. Se houver necessidade de cirurgia, já vai ser feita no próprio Icam”, explica a diretora.

De acordo com a diretora, a especialização terá a duração de 18 meses, e será aberta a profissionais de diferentes áreas, como enfermeiros, pediatras, médicos, assistentes sociais.

Tratamento

Paulo Su explica que há duas formas para tratar o Pé Torto. A primeira é por meio de uma técnica de manipulação gessada, conhecida como método de Ponseti. Este método consiste em colocar o gesso até a base da coxa, e o pé é posicionado dentro do gesso. As trocas gessadas são realizadas, em média, a cada sete dias.

O outro método de tratamento, segundo ortopedista Paulo Su, é o cirúrgico. Segundo o ortopedista, esta alternativa só é considerada possível quando o tratamento mais conservador (com gesso) não surtir efeito na criança.

*Com informações da assessoria de imprensa

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.