Publicidade
Cotidiano
Notícias

Investimento Periferia:Crescimento com a expansão imobiliária planejada

Condomínios de alto padrão também já chegaram às áreas mais afastadas, a exemplo do Forest Hill (avenida Torquato Tapajós), Vila dos Pássaros e Alphaville (Tarumã) 14/07/2013 às 17:19
Show 1
Condomínios de alto padrão também já chegaram às áreas mais afastadas, a exemplo do Forest Hill (avenida Torquato Tapajós) e etc.
Cinthia Guimarães Manaus, AM

A periferia das grandes cidades está deixando de ser um lugar desprezado pela população e virando alvo do mercado imobiliário para a construção de grandes conjuntos residenciais. Entre os motivos estão a disponibilidade de espaço e o preço dos terrenos.

Em Manaus, bairros mais afastados do Centro como Santa Etelvina e Campos Sales, na Zona Norte, e Tarumã, na Zona Oeste, despontam como os locais com maior crescimento condomínios, principalmente os voltados para as classes C e D e para habitação de interesse social (Programa Minha Casa, Minha Vida  - MCMV).

Quem avalia isso é o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-AM), Eduardo Lopes. “Bairro afastado só quando é de interesse social e baixa renda. Essas áreas periféricas são para o ‘Minha Casa, Minha Vida’. Quem compra imóveis das classes A e B vão para áreas mais valorizadas”.

Construtoras como Direcional Engenharia e Capital são as que mais investem em condomínios para a classe C. São apartamentos que custam de R$ 90 mil até R$ 150 mil, medindo de 45 metros quadrados até 70 metros quadrados.

Segundo Lopes, o público mais seleto prefere bairros mais estruturados de serviços e comércio, como Parque Dez, Ponta Negra Parque das Laranjeiras, Adrianópolis e Nossa Senhora das Graças, onde um apartamento de dois quartos não sai por menos de R$ 250 mil. 

Condomínios de alto padrão também já chegaram às áreas mais afastadas, a exemplo do Forest Hill (avenida Torquato Tapajós), Vila dos Pássaros e Alphaville (Tarumã). Mas Lopes ressalta que a curva de valorização desses imóveis é mais lenta. “A quantidade de casas construídas é baixa, as pessoas compraram mais para especular. Tem minhas dúvidas se objetivo dessas vendas foi como o esperado”, disse.

De acordo com o presidente do Sinduscon-AM, a expansão imobiliária de condomínios verticais é um fenômeno muito recente em Manaus, realidade diferente de capitais como São Paulo e Rio de Janeiro, onde a periferia já virou ‘lugar chic’.

Segundo o diretor geral da rede i-Uni Brasil (Imobiliárias Unidas), Rodrigo Caporrino, um grande exemplo de zona periférica que se valorizou é o Alphaville São Paulo, que se converteu em uma zona nobre da capital. “Por mais incrível e difícil que possa ser aceitar o fato, Alphaville é apenas um bairro da cidade de Barueri”. “Acredito que outras zonas periféricas que hoje estão muito desenvolvidas caminhem para a mesma excelência percebida no setor imobiliário de Alphaville”, ressaltou.

Publicidade
Publicidade