Publicidade
Cotidiano
POLÍTICA

Josué Neto (PSD) rebate críticas da oposição e nega que queira adiar CPI da Afeam

Presidente da ALE-AM defendeu sua decisão de fazer com que a CPI seja analisada pela Procuradoria-Geral e pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) do órgão 29/11/2016 às 21:48
Show josu  neto0333
"Qualquer crítica que haja no sentido de protelação, de arquivamento, ela vai bater não em palavras, mas em atitudes", declarou o político (Foto: Arquivo AC )
Lucas Jardim Manaus (AM)

O presidente da ALE-AM, Josué Neto (PSD), rebateu as críticas feitas pelo vice-presidente, Belarmino Lins (Pros), e pelos deputados oposicionistas, de que sua decisão de fazer a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Agência de Desenvolvimento e Fomento do Estado do Amazonas (Afeam) ser analisada pela Procuradoria-Geral e pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) da Casa era uma “medida protelatória”.

“A intenção da mesa diretora é prezar por uma boa tramitação. Quando nós iniciamos a CPI da Pedofilia e a CPI da Telefonia, nós iniciamos dessa forma e essas CPIs tiveram começo, meio e fim. Em nenhum momento, elas foram prejudicadas ou contestadas, justamente porque elas iniciaram da maneira correta. Eu recebo todas as críticas, mas quem quiser utilizar de CPI de forma política terá que respeitar a tramitação. Qualquer crítica que haja no sentido de protelação, de arquivamento, ela vai bater não em palavras, mas em atitudes”, declarou Josué Neto ao abrir os trabalhos legislativos da sessão desta quarta-feira (29).

Após a colocação, Luiz Castro (Rede) tornou a afirmar que a medida é para adiar a investigação. “Isso é uma decisão pessoal dele [Josué] de fazer um rito mais demorado. Quando há um temor de um fato que pode gerar um desgaste muito grande para o governo, normalmente os apoiadores do Governo vão tentando ganhar tempo, vendo se aqueles que requisitaram a CPI desistem, tudo isso é manobra. Com certeza, o Governo tem medo dessa CPI”, comentou.

A decisão

A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM) decidiu, na tarde desta terça-feira (28), que o requerimento de abertura da CPI que investigará a má aplicação de R$ 20 milhões pela Afeam deverá ser analisado por dois órgãos internos da Casa, cada um tendo até cinco dias para redigir um parecer sobre o pedido.

Deputados de oposição, que assinaram o pedido de abertura da CPI, classificaram a iniciativa como uma manobra do governo para não investigar o “mar de lama na Afeam”. Além disso, o próprio vice-presidente da Casa, Belarmino Lins, que acelerou a abertura da CPI enquanto exercia a presidência da ALE-AM na semana passada, chamou a medida de protelatória.

Publicidade
Publicidade