Publicidade
Cotidiano
Notícias

Jovens exaltam vida bandida e ostentam armas em perfis virtuais

Eles mostram o amor pela "vida louca" dos criminosos e postam fotos cultuando o crime, o consumo de entorpecentes e armas de fogo 12/10/2013 às 18:32
Show 1
Em uma das imagens postadas na Internet, rapaz empunha revólver e diz ser "loucura enfrentá-lo armado"
Bruno Strahm Manaus (AM)

Jovens da periferia de Manaus exaltam, na rede social Facebook, a vida bandida exibindo armas, fazendo alusão a facções criminosas e reproduzindo letras de rap que cantam sobre tráfico, o sexo e a violência urbana. A reportagem de ACRITICA.COM recebeu por meio de denúncia uma compilação de imagens que afirma se tratar de grupos das Zonas Leste e Norte da cidade, que praticam pequenos delitos e consumo de drogas em seus bairros, sem vergonha de tornar público seus feitos.

Neste sábado (12) em que se comemora o Dia das Crianças, uma postagem ilustra o tipo de vida que este grupo leva: “Feliz Dia Das Crianças! 
- Hj Vou passa o dia escutando Facção Central, 'Eu Vou Brica De asassino'" (sic).

Em uma das fotos, um rapaz empunha um revólver e posa para a foto no que parecer ser uma lan house. Há também quem se mostre com uma pistola em um campo de futebol ao lado de uma criança, na frente do espelho fazendo pose e apontando uma arma caseira de forma ameaçadora para a câmera.

Até mesmo prisão é motivo de orgulho para o grupo. Um deles posta uma foto e diz se lembrar com saudade do dia em que foi preso por agredir outra pessoa.



De acordo com a fonte que passou a denúncia, que pediu anonimato e enviou o material, trata-se de um grupo de jovens entre 17 e 20 anos que costumam marcar brigas entre bairros "rivais" pela Internet, além de terem conhecidos ou parentes mais velhos já envolvidos na criminalidade e começam a trilhar o mesmo caminho. "Eles fazem parte do movimento (do tráfico) e já cometem delitos das ruas", afirma.

Mc DaLeste, cantor do chamado "funk ostentação", que rimava sobre temas polêmicos vividos por ele na Zona Leste de São Paulo, morto no início do ano, é um dos artistas preferidos do grupo, sendo citado nominalmente em diversas postagens.

Reflexo do dia a dia

A mestre em sociologia Rila Arruda lembra que a cultura da violência é algo que muitos grupos de jovens vivenciam diariamente. Citando o teórico Emile Durkheimm, Arruda diz que "todo crime é um fato social normal, um fenômeno presente em todas as sociedades. Ele deixa de ser normal e passa a ser patológico quando a taxa de frequência aumenta".

“Se as fotos e músicas representam o cotidiano deles, se há uma identificação pelo grupo, para eles pode ser normal tirar fotos assim.  O comportamento considerado desviante por uma sociedade é um fenômeno socialmente construído. Aí temos que ter cuidado com as rotulagens”, finaliza Rila Arruda.



Caso será investigado

Ao tomar conhecimento do caso, a Polícia Civil do Amazonas, por meio de sua assessoria, informou que enviariá o material para a equipe de investigação pois, segundo o órgão, há casos de delitos em flagrantes, como posse ilegal de arma de fogo, que devem render resultados.


Publicidade
Publicidade