Sábado, 20 de Abril de 2019
publicidade
2019-01-23t193916z_1177976378_rc134b16e3d0_rtrmadp_3_venezuela-politics_0728796E-7993-43C0-B0F0-E6733EFE87D3.jpg
publicidade
publicidade

VENEZUELA

Juan Guaidó sugere anistia a Maduro para restaurar ‘ordem democrática’ na Venezuela

Na primeira entrevista após se declarar presidente interino, Guaidó apontou para a possibilidade de perdão a Maduro caso ele aceite abrir mão do poder no país


25/01/2019 às 11:17

Na primeira entrevista após ter se declarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó acenou com a possibilidade de conceder anistia ao presidente Nicolás Maduro e aliados caso aceitem abrir mão do poder no país.

As declarações foram feitas à emissora de TV norte-americana Univision. Durante a conversa, que aconteceu em um local não divulgado na capital Caracas, Guaidó prometeu continuar a lutar por um “governo de transição e eleições livres” na Venezuela.

À frente dos rumos do país desde a morte de Hugo Chavez, Maduro deve fazer hoje (25) uma declaração à imprensa sobre os eventos registrados ao longo dos últimos dias.

Em suas intervenções mais recentes, o presidente tem denunciado a oposição venezuelana como protagonista de um golpe de Estado, com o apoio dos Estados Unidos. Na quinta-feira, perante o Supremo Tribunal, disse: "Jamais renunciarei aos compromissos com a pátria".

Crise

Na última quarta-feira (23), o líder da oposição na Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente interino. Brasil, Estados Unidos, União Europeia e a própria Organização das Nações Unidas, além do Grupo de Lima e da Organização dos Estados Americanos (OEA), se manifestaram favoravelmente a Guaidó, em defesa de novas eleições gerais na Venezuela.

Internamente, Maduro resiste e conta com apoio da cúpula militar. Os confrontos entre simpatizantes do Maduro e de Guaidó agitaram a Venezuela nos últimos dias. Segundo entidades civis, pelo menos 14 pessoas foram mortas por causa da forte repressão.

A situação na Venezuela se agravou após a posse de Maduro para o segundo mandato presidencial, em 10 de janeiro. Para o Brasil, o Grupo de Lima, que reúne 14 países, e a OEA, o mandato é ilegítimo.

*Com informações da RTP Notícias

publicidade
publicidade
Guaidó convoca venezuelanos para 'maior marcha da história' contra Maduro
Parlamento favorável a Nicolás Maduro suspende imunidade de Juan Guaidó
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.