Quinta-feira, 25 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Notícias

Julgamento sobre fim da cobrança de ICMS da internet no Amazonas é adiado pelo TJ-AM

Decisão foi adiada após pedido de vista do processo, e MP-AM já se mostrou favorável ao fim da cobrança. Atualmente, no valor cobrado pelos serviços de internet está embutida alíquota de 20% do imposto


19/01/2016 às 15:11

Um pedido de vista adiou o julgamento da Ação Indireta de Inconstitucionalidade (ADI) impetrada pelo ex- deputado estadual Marcelo Ramos (PR) que questiona a cobrança do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os serviços de internet no Estado, em sessão realizada na manhã desta terça-feira, 19, na corte do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM).

Caso fosse aprovada, a pauta garantiria o fim da cobrança da alíquota de 20% de ICMS sobre os serviços prestados pelos provedores de internet aos amazonenses, barateando o custo ao consumidor final. O procurador-geral de Justiça do Estado, Fábio Monteiro, já havia dado parecer favorável ao fim da cobrança.

Porém, antes do parecer do relator Wellington José de Araújo, o desembargador Domingos Jorge Chalub pediu vistas do processo para analisar a legitimidade da autoria da ADI pelo ex-deputado estadual. Ramos disse não atender a decisão de adiamento.

“A legitimidade da ação já foi discutida e resolvida, por isso não entendo o pedido de vista, mas respeito a decisão. O que é preocupante é que enquanto a questão é analisada o consumidor continua pagando uma internet 20% mais cara do que deveria ser. Sem contar com o agravante de que tramita na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), uma proposta para aumentar essa alíquota para 30%”, alertou.

Na conta

publicidade

De acordo com um dos advogados autores da ação, Franco Júnior, a cobrança é incompatível. “Está sendo cobrado um imposto como se os serviços prestados pelos provedores de internet fossem serviços de comunicação e não um serviço de valor adicionado a serviços de telecomunicações, o que faz diferença no momento de definir a cobrança ou não da alíquota”, detalhou.

Na prática, segundo Ramos, a diferença para o consumidor final seria representativa. “Nesta conta que inclui TV digital, telefone e internet, só de internet, o consumidor paga R$ 89,90. Se não houvesse o ICMS incidente de 20%, o valor cairia para R$ 71,92 e o valor final que é de R$ 314,68, cairia para 296,70. Parece pouco, mas faz diferença no bolso do consumidor”, exemplificou o ex-parlamentar com uma cobrança de provedor de internet em mãos.

publicidade
publicidade
Amazonas está há dois dias sem registrar casos de gripe H1N1
Preço da gasolina cai em Manaus após instalação da CPI dos Combustíveis
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.