Sábado, 30 de Maio de 2020
Notícias

Justiça Federal derruba liminar e conta de energia ficará até 40% mais cara no Amazonas

Órgãos de defesa do consumidor ingressaram com ação contra reajuste em novembro de 2015 e tinham conseguido decisão liminar favorável pela suspensão; a Eletrobras recorreu e cobrará o retroativo parcelado em seis vezes



1.jpg Cobrança do valor retroativo do reajuste não cobrado entre os meses de novembro e janeiro será parcelado e cobrado nas próximas seis faturas
18/01/2016 às 19:12

A Justiça Federal acatou recurso da Eletrobras Distribuição Amazonas e da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e autorizou a cobrança do reajuste de energia elétrica no Amazonas. O reajuste havia sido suspenso por decisão liminar após pedido de órgão de defesa do consumidor no fim do ano passado. Para os consumidores residenciais o reajuste será de 38,8%, e para os consumidores de "Média e Alta Tensão" o reajuste será de 42,55%.

A decisão do desembargador Federal Néviton Guedes, do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF1), também autoriza a cobrança do valor retroativo referente ao consumo no período em que, devido a liminar, o reajuste havia sido suspenso (novembro de 2015 a janeiro de 2016). A Eletrobras decidiu parcelar o retroativo em seis vezes. As parcelas virão nas faturas emitidas a partir do dia 01 de fevereiro de 2016, sem juros e/ou multas.



O que será cobrado, nesse momento, é o reajuste de 2015 feito pela Aneel. Os valores referentes às Bandeiras Tarifárias continuam suspensos. A Eletrobras informou que a decisão judicial está sendo cumprida na íntegra e que continua aguardando novas definições da justiça.

Nesta segunda-feira, mais cedo, representantes dos órgãos autores das ações contra os reajustes, em coletiva de imprensa, alertaram da possibilidade da liminar ser derrubada. Saiba mais clicando aqui.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.