Publicidade
Cotidiano
MEMBRO DO ESTADO ISLÂMICO

Justiça nega liberdade a amazonense acusado de fazer parte de grupo terrorista

Justiça Federal negou pedido da defesa de Oziris Moris Lundi, 27. Amazonense foi preso em julho durante Operação Hashtag, que desarticulou grupo ligado a Estado Islâmico. Suspeito está preso no Mato Grosso do Sul 16/08/2016 às 15:20
Show oziris
Oziris está preso em presídio de segurança máxima no Mato Grosso do Sul (Foto: Reprodução)
acrítica.com Manaus (AM)

A Justiça Federal negou pedido de liberdade apresentado pela defesa do amazonense Oziris Moris Lundi dos Santos Azevedo, 27, um dos 14 presos na Operação Hashtag que desarticulou uma quadrilha suspeita de envolvimento com o Estado Islâmico. O suspeito está preso em um presídio federal de segurança máxima no Mato Grosso do Sul.

A decisão é do juiz Marcos Josegrei da Silva, titular da 14ª Vara Federal de Curitiba. Por conta da determinação do juiz, Oziris permanecerá preso.

Oziris foi preso em Manaus no dia 21 de julho por suspeita de envolvimento com o EI. Segundo a Polícia Federal, o grupo tinha o objetivo de planejar atentados terroristas durante a Olimpíada do Rio de Janeiro.  As prisões e mandados de busca e apreensão e de conduções coercitivas foram cumpridos nos Estados do Amazonas, Ceará, da Paraíba, de Goiás, Minas Gerais, do Rio de Janeiro, de São Paulo, do Paraná, de Mato Grosso e do Rio Grande do Sul.

Todos deverão responder pelos crimes de promoção de organização terrorista e realização de atos preparatórios de terrorismo, ambos previstos na Lei 13.260/2016, conhecida como Lei Antiterrorismo.

Suspeito trabalhava no Ciops

Oziris Lundi trabalhava no setor de suporte técnico do Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops), órgão da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM). O suspeito pediu demissão há três meses antes de ser preso, tempo da investigação. Segundo colegas, ele fazia rituais muçulmanos dentro do Ciops.

Publicidade
Publicidade