Publicidade
Cotidiano
Notícias

Justiça ordena afastamento do prefeito de Iranduba por crimes de corrupção

Preso durante a Operação Cauxi, Xinaik Medeiros e outras 19 pessoas são acusadas de praticar corrupção no município e gerar prejuízo de R$ 56 milhões aos cofres públicos 10/11/2015 às 14:10
Show 1
Xinaik Medeiros fugiu de Iranduba e foi a Manaus se entregar na sede do Ministério Público do Estado
VINICIUS LEAL E JOANA QUEIROZ Manaus (AM)

VEJA IMAGENS

ASSISTA VÍDEO

A Justiça do Amazonas mandou afastar o prefeito de Iranduba, Xinaik Medeiros (PTB), que foi preso na manhã desta terça-feira (10) durante a Operação Cauxi, suspeito de cometer crimes de corrupção que geraram prejuízos de cerca de R$ 56 milhões aos cofres do município.

A desembargadora Carla Maria Santos dos Reis, do Tribunal de Justiça, determinou o afastamento de Xinaik. Ela é a relatora do processo judicial sobre as denúncias de corrupção contra o prefeito, secretários e empresários e foi quem deu autorização para cumprimento dos 20 mandados judiciais na Operação Cauxi e bloqueou os bens dos acusados.

Xinaik se entregou no fim desta manhã na sede do Ministério Público do Estado, em Manaus. Com a saída dele, quem deve assumir o cargo provisoriamente é a vice-prefeita de Iranduba, Madalena de Jesus, a “Madá do Cacau Pirêra”. A data da posse de Madalena não foi confirmada. A Câmara Municipal de Iranduba também não confirmou qualquer cerimônia para posse de Madalena.

Acusados

O prefeito Xinaik e outras 19 pessoas são acusadas de praticarem crimes como peculato, corrupção passiva, concussão, falsidade ideológica, fraude em licitação, lavagem de dinheiro e crime de responsabilidade fiscal. Os crimes eram cometidos durante o processo de contrato de obras, serviços e aquisição de materiais para a Prefeitura de Iranduba. 

Os acusados são: David Queiroz Félix, Edu Corrêa Souza, Nádia Medeiros de Araújo, André Maciel Lima, Sérgio Souza, Almir da Silva Prestes, Josimar Martins Marinho, Genilson Ferreira da Silva, Piter Vilhena Gonzaga, Leandro do Vale e Silva, Angela Rayane do Amazonas Medeiros de Araújo, José Odenilson Santana Oliveira, Carlos Roberto Costa Oliveira, Cláudio Henrique Costa Oliveira, Anny Glez Fialho da Silva, César Alemberg Dias Rios e Eduardo Assunção Alfaia.

A denúncia contra os 20 envolvidos foi feita pelo Ministério Público do Estado (MPE) ao Tribunal de Justiça. Segundo o procurador-geral do MPE, Carlos Fábio Monteiro, foram descobertas fraudes em licitações a partir de denúncias de empresários que foram coagidos a pagar propina para conseguir contratos da gestão pública.

Operação Cauxi

A Operação Cauxi foi deflagrada nesta manhã em Iranduba pela Polícia Civil e pela Controladoria-Geral da União (CGU). Foram 20 mandados judiciais de busca e apreensão, de prisão e de condução coercitiva. O prefeito Xinaik chegou a ser considerado como foragido da Justiça porque não foi encontrado em casa quando os policiais foram lá. Uma quantia de R$ 13 mil foi achada escondida na residência.

Por volta das 11h, Xinaik Medeiros se entregou às autoridades na sede do Ministério Público do Estado. Quando soube da operação, ele saiu de Iranduba e foi de carro até Manaus.

De acordo com o promotor de Justiça Lauro Tavares, coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate as Organização Criminosa (Gaeco), entre os presos está a irmã do prefeito, Nádia Medeiros, o secretário de finanças, David Queiroz, e Edu Correa Souza.

População solta fogos


População comemora prisão do prefeito. Winnetou Almeida

A população de Iranduba festejou a prisão do prefeito da cidade, Xinaik Medeiros, e as prisões de outros membros de um esquema de corrupção na prefeitura descoberto durante a Operação Cauxi, deflagrada pelo MPE, Polícia Civil e CGU. Populares começaram a se organizar para fazer uma grande carreata pelas ruas da cidade.

Os moradores estão sendo convocados para saírem pelas ruas da cidade às 16h. No inicio da manhã, assim que foi confirmada a prisão do secretário de Finanças, a população soltou fogos de artifícios. Neste momento, um grupo se reuniu próximo à sede da prefeitura com cartazes, e em um deles estava escrito “Operação Cebolinha”, fazendo menção à atividade do prefeito antes de ser eleito.

Publicidade
Publicidade