Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019
Notícias

Justiça suspende propaganda que liga José Melo ao crime organizado

Propaganda eleitoral veiculada nas inserções do candidato ao governo Eduardo Braga (PMDB) cita publicação da revista Veja e relaciona Melo com uma conhecida facção do crime organizado do Amazonas



1.gif Braga e Melo disputam, pela primeira vez na história, o 2º turno para o cargo de governador do Estado
22/10/2014 às 20:55

A Justiça Eleitoral no Amazonas proibiu que a campanha do candidato ao governo Eduardo Braga (PMDB) faça menção à publicação da revista Veja que afirma que o atual governador e candidato à reeleição, José Melo (Pros), firmou parceria com o crime organizado em troca de votos.

A decisão liminar do juiz-auxiliar do TRE-AM, Francisco Carlos de Queiroz, e foi expedida nesta quarta-feira (22). O descumprimento da liminar multa diária de R$ 10 mil. A assessoria da coligação ‘Renovação e Experiência’ informou que eles irão recorrer da decisão.



Em seu despacho, o juiz afirma que a ligação estabelecida pela propaganda de Braga sobe o suposto envolvimento da campanha de José Melo com o crime organizado tende a "difamar a imagem" do candidato José Melo. A liminar foi concedida após um pedido formal da assessoria jurídica da coligação de Melo.

'Vamos recorrer'

Segundo o advogado Daniel Nogueira, a liminar proíbe apenas a propaganda veiculada nas televisões rádios da última segunda-feira (20) e que o assunto não será evitado nos próximos dias por seu relevante interesse social.

”A liminar não proíbe o tema, e iremos continuar falando sobre o assunto, que fere qualquer cidadão de bem. Esta não é uma questão eleitoral, e sim social, foi mostrada em veículos nacionais de notícia. Iremos acatar a decisão do juiz, mas também iremos recorrer por achar que ela está equivocada”, comentou.





Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.