Sábado, 04 de Julho de 2020
POLÍTICA

Justiça vai decidir validade da cassação de vereadores oposicionistas em Coari

Vereadores fazem oposição ao prefeito Adail Filho (PP) e já tiveram o mandato cassado outras duas vezes desde 2017



show_CMM_Coari_7CF0D7D3-3985-491E-8F8C-72E7224E89F6.jpg Foto: Arquivo/A Crítica
27/05/2020 às 22:08

A Câmara Municipal de Coari decidiu pela cassação dos mandatos dos vereadores Samuel Castro (PSL), Adeva Cordovil (PTB), Ademoque Filho (PSDC) e Ewerton Medeiros (DEM). De acordo com o documento assinado na última terça-feira (26) pela desembargadora Maria do Socorro Guedes Moura, um processo está em tramitação no Tribunal de Justiça do Amazonas que vai definir pela validade ou não da cassação dos mandatos realizada pela Câmara de Coari.

De acordo com o vereador Keitton Wyllyson Pinheiro Batista (PTB), presidente da Câmara de Coari, os ex-vereadores tiveram seus mandatos cassados após a comprovação, por meio de gravações telefônicas, de inúmeros atos imorais e ilegais praticados com único intuito de enriquecimento ilícito.



O vereador Keitton explica que, em sessão plenária no exercício de 2019, a Casa, nos termos da comissão processante 3/2018, decidiu pela cassação dos mandatos dos quatro vereadores por quebra de decoro parlamentar. A decisão, porém, foi suspensa em uma liminar feita por plantão judicial.

A mesa diretora da Câmara do município, então, recorreu com agravo regimental à decisão retrocitada, o qual foi provido pela Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas no último dia 25 de maio de 2020.

“Sendo assim, a cassação dos mandatos dos supracitados voltou a surtir todos os efeitos legais e administrativos, nos termos da decisão do plenário desta Câmara Municipal. Como pode-se observar, não houve nova cassação, mas tão somente cumprimento dos efeitos de uma decisão do egrégio Tribunal de Justiça deste Estado. Não há qualquer intenção desta Casa, ou de seu presidente, em perseguir quem quer que seja”, disse o presidente da Casa.

O vereador Adeva Cordovil (PTB) disse que a decisão é resultado de perseguição do presidente da Câmara e do prefeito de Coari, Adail Filho. Ele disse que foi perseguido durante todo o mandato, apenas e tão somente por ter decidido não fazer mais parte da corrupção. 

“Mais uma vez tiraram nossos mandatos. A pedido da mesa diretora da Câmara, ou melhor, a pedido de Adail Filho, mais uma vez derrubaram uma decisão que nos devolveu nossos mandatos. Aqueles que ousam a falar a verdade, que ousam a denunciar a organização criminosa que se instalou em Coari, são perseguidos até o último momento”, disse o vereador.

O vereador Ewerton Medeiros (DEM), que também teve o mandato cassado, disse que está lutando não apenas contra a corrupção, mas contra a ditadura da família Pinheiro.

“Eles podem até cassar meu mandato, mas não podem silenciar minha voz. Ainda que eu seja vítima de uma atitude tão baixa: a cassação de um mandato legítimo, pois o povo me elegeu democraticamente”, disse o vereador.

Outras cassações

Os vereadores de oposição ao prefeito Adail Filho (PP) já tiveram o mandato cassado outras duas vezes no decorrer do mandato. Eles foram acusados de corrupção ativa, improbidade administrativa e quebra de decoro parlamentar.

À época, a Câmara alegou que eles estavam procurando funcionários públicos que denunciassem eventuais condutas ilegais ocorridas na atual administração. No dia 15 de maio de 2019, eles foram cassados por unanimidade em uma sessão extraordinária.

 

*Colaborou Árquipo Góes


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.