Publicidade
Cotidiano
Notícias

Laudo de acidente na BR-174 deve ficar pronto em uma semana

O Instituto de Criminalística da Polícia Civil do Amazonas já iniciou o trabalho pericial no veículo onde viajava a família e no local onde os três foram encontrados, no trecho do quilômetro 235 da rodovia federal que liga Manaus a Boa Vista 30/10/2013 às 19:01
Show 1
Peritos criminais já trabalham no caso para desvendar as causas do acidente
Bruno Strahm Manaus (AM)

A causa do acidente que vitimou Levy Oliveira, 32, Gislane Oliveira, 34, e o pequeno Ian Levy, 6, deve ser revelada até a próxima semana pelo Instituto de Criminalística da Polícia Civil. De acordo com informações do delegado Carlos Fernandes, o trabalho pericial no carro e no local onde ocorreu o acidente já tiveram início.

O veículo foi encontrado na fim da manhã da última terça-feira (29), no quilômetro 235 da BR-174, dentro de um lago à margem da via. Conforme apurou a equipe de resgate que encontrou o carro, Gislane dirigia o veículo, Levy viajava no banco do carona e Ian Levy, o único que usava cinto de segurança, ia no banco de trás do Honda City. Provavelmente, o acidente tenha acontecido ainda na sexta (25), dia em que eles desapareceram.

De acordo com informações do agente da Polícia Rodoviária Federal (PRF) Luciano Campos, não havia marcas de frenagens no asfalto da estrada por onde o carro da família Oliveira passou. “Há apenas marcas de arbustos destruídos e galhos quebrados por onde o carro abriu caminho na mata antes de entrar no lago”, disse o agente.

Segundo ele, a causa do acidente pode ser mais de uma e somente o laudo técnico da Polícia Civil irá indicar a causa.

“No nosso trabalho costumamos apontar quatro fatores críticos que levam a um acidente na estrada: a condição do veículo, o estado psicológico e físico do condutor, a condição que se encontra a via por onde o veículo acidentado passou e, por último, o clima, que pode afetar a visibilidade ou controle do carro pelo condutor”, comentou Campos.

Enterro

Os corpos de Levy, Gislane e Ian foram liberados pelo Instituto Médico Legal (IML) aos familiares somente às 14h desta quarta-feira (30). A partir do local, diversos carros seguiram em comboio até o cemitério do Tarumã, na Zona Oeste de Manaus.

Não houve velório das vítimas pelo avançado grau de decomposição que os três corpos já se encontravam após sua descoberta na manhã de terça-feira pela PRF. Houve muita emoção entre os parentes e amigos das vítimas, principalmente a mãe de Levy, que estava inconsolável ao lado do caixão de seu filho.

Gislane e seu filho foram enterrados juntos em um jazido. Levy foi o último a ter seu caixão coberto de terra no cemitério. O casal ainda deixou uma criança de 11 meses, que não foi com os pais na fatídica viagem. Ela ficará aos cuidados da avó materna.

Publicidade
Publicidade