Publicidade
Cotidiano
Notícias

Laudo sobre acidente aéreo não tem data para ser entregue

Seripa descartou que a aeronave levasse mais passageiros que o permitido, gerando sobrepeso. 16/07/2013 às 15:19
Show 1
Capitão Felipe de Figueiredo Marques é o chefe das investigações sobre o acidente com o Baron
Bruno Strahm Manaus (AM)

O chefe de investigação do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa), Capitão Felipe de Figueiredo Marques, falou em entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (16) que o laudo sobre as causa do acidente aéreo ocorrido durante a manhã, não tem data certa para ser entregue. A hipótese de explosão da aeronave foi descartada pelo Capitão.

De acordo com o capitão, após o recolhimento de informações sobre a aeronave, o laudo será enviado para o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), em Brasília, que determinará as causas do acidente. “As investigações já começaram, além de coletar as evidências físicas na pista, iremos conversar com o proprietário, com o operador do avião e com todas as pessoas que mantinham um contato de atividade aérea com o mesmo. Além de perguntar para os sobreviventes tudo o que eles recordam de ter havido antes do impacto. Temos 21 militares trabalhando na conclusão do laudo e se preciso, será pedido auxilio de órgãos espalhados pelo Brasil e até de fora, com o fabricante da aeronave”, comentou. 

Marques disse ainda que não houve explosão, conforme informações de testemunhas. “É bom frisar que a aeronave se incendiou após a colisão, não houve explosão. As chamas deterioraram o avião por completo, o que vai dificultar nosso trabalho”, comentou.

Segundo o advogado Álvaro Sampaio, a aeronave PR-OKK modelo BE - 58 Baron pertencia à empresa Construtora e Transportadora Pioneiro (Cotrap). O avião era operada pela Apuí USA LLC.

Vítimas

Aurélio Simonetti, 70, Messias de Alencar, 43 e o piloto Elcio Miguel Carneiro, 54, morreram carbonizados. As outras três vítimas, Vanessa Guedes Aguiar, Adonay Pessoa Campos e Edson Oliveira foram levados ao Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto em estado gravíssimo, onde se encontram internados na unidade de tratamento intensivo do Centro de Tratamento de Queimados.

Circunstâncias

De concreto, o capitão informou que após a decolagem às 6h20 da manhã, a aeronave perdeu a direção em linha reta para o lado esquerdo, colidindo frontalmente com o solo dentro da área de escape do aeroporto Eduardo Gomes, o ‘Eduardinho’.

Ainda assim ele descartou que a aeronave, com capacidade para um piloto e cinco passageiros, estivesse com sobrepeso. “É uma aeronave de pequeno porte com capacidade para levar 2.500 quilos”, disse.

Segundo o advogado da Cotrap, Álvaro Sampaio, o Baron estava com a manutenção em dia e não havia nenhum problema técnico relativo ao seu funcionamento. “O próprio dono, Victor Cesar Marlentini, executou um voo de Carauari para Manaus ontem (segunda 15/7), em um trajeto de 4h de duração sem qualquer alteração. Além disso, o piloto tinha ao menos vinte anos de experiência de voo”, disse.

Ele afirmou que toda a assistência às famílias das vítimas está sendo dada pela empresa. “No que é possível neste momento, estamos com as famílias das vítimas no Hospital dando o amparo que nos é possível. Inclusive iremos ajudar no translado dos corpos caso seja desejado pelas famílias. Outro tipo de assistência será dado após a conclusão do laudo sobre o acidente”, finalizou.

Publicidade
Publicidade