Publicidade
Cotidiano
POLÍTICA

Lideranças discutem pré-candidatura ao cargo de governador do AM em Brasília

Apenas três candidaturas são pré-oficiais: a do deputado federal Silas Câmara (PRB), do deputado estadual José Ricardo Wendling (PT) e a do vereador Wilker Barreto (PSH); o restante ainda é um mistério 05/06/2017 às 18:52
Show pol tica
Governador interino David Almeida (no centro) durante reunião com o deputado Átila Lins e Omar Aziz em Brasília. Foto: Roque de Sá/Divulgação
Antônio Paulo Brasília (DF)

A uma semana do início das convenções partidárias – 12 a 16 de junho – para escolher as chapas oficias que vão concorrer ao governo do Amazonas, nas eleições suplementares de 6 de agosto, três candidaturas são pré-oficiais: a do deputado federal Silas Câmara (PRB), do deputado estadual José Ricardo Wendling (PT) e a do vereador Wilker Barreto (PSH), presidente da Câmara Municipal de Manaus. No entanto, as duas chapas com maiores chances de vitória – a do ex-governador Amazonino Mendes (PDT) e a do senador Eduardo Braga (PMDB) – ainda são um suspense principalmente pela indefinição dos candidatos a vice-governador.

Na semana passada, quando o governador interino David Almeida (PSD) esteve na capital federal, buscando recursos para o estado, duas reuniões chamaram atenção: a primeira ocorreu no gabinete do coordenador da bancada do Amazonas, no Congresso Nacional, deputado Átila Lins (PSD), e a segunda com o presidente da República, Michel Temer.

O encontro na Coordenação de Bancada contou com as presenças do vice-presidente nacional e presidente regional do PSD, senador Omar Aziz; do presidente estadual do DEM, deputado Pauderney Avelino, e do presidente da Câmara Municipal de Manaus, vereador Wilker Barreto (pré-candidato ao governo).  E, mesmo às portas fechadas, os participantes da reunião saíram dizendo que não se discutiu o processo político-eleitoral.

“Como diz um ditado popular, conversa com mais de dois é comício. Como havia seis pessoas na sala, não se arriscou a tratar de detalhes do processo eleitoral no Amazonas, já que política é como nuvem: ora clara, ora escura. Temos aí alguns dias para fazer articulações antes das convenções. Até lá, haverá muitas alianças, entendimentos e articulações”, declarou Átila Lins. Questionado sobre a possibilidade de ele vir a ser o candidato a vice-governador em uma das chapas majoritárias, Lins desconversou: “Prefiro não comentar sobre esse assunto e nem falar em hipóteses. Esses comentários especialmente divulgados pela imprensa, acredito que tem a ver com a minha experiência de 40 anos na vida pública, com dez mandatos de deputado (três estaduais e sete federais). E toda essa experiência me leva a não comentar sob hipóteses ou especulações”, declarou o deputado. O senador Omar Aziz também desconversou sobre as articulações. “Tem muita água para rolar debaixo da ponte”.

À espera do STF

O governador David Almeida disse que a conversa com o presidente Michel Temer não tratou sobre as eleições no Amazonas. Disse estar focado na questão administrativa, no enfrentamento aos problemas de saúde, educação, segurança e infraestrutura do governo. No entanto, aguarda decisão do Supremo Tribunal Federal sobre consulta da Assembleia Legislativa para saber se a eleição no Amazonas será direta ou indireta. David Almeida torce para que seja indireta, modalidade que lhe dá mais chance de vencer a eleição a ser feita pelos colegas deputados estaduais.

Publicidade
Publicidade