Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019
APÓS TSE DECIDIR

Luciano Hang aceita pagar multa por pedir votos para Bolsonaro

Em sua defesa no Tribunal Superior Eleitoral, dono das lojas Havan alegou que não houve irregularidade. Ele também argumentou que tem direito à livre manifestação do pensamento



dsuaduhasuh_8F522489-1380-4990-9E55-8505EC51570A.JPG Foto: Reprodução
19/09/2019 às 15:12

O empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas de departamento Havan, foi condenado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por ter supostamente coagido funcionários a votarem no então candidato à presidência Jair Bolsonaro. Apoiador confesso ddo atual presidente, Hang terá de pagar uma multa no valor de R$ 2 mil. O empresário poderia recorrer da decisão, mas preferiu aceitar a condenação, segundo informações do site Conjur.

O processo foi iniciado em 2018 no TSE pela coligação “Para Unir o Brasil", formada pelos partidos PSDB, PRB, PP, PTB, PR, PPS, DEM, PSD e SDD, e que tinha como candidato à presidência em 2018 o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB).

Na ação movida pelo grupo de partidos, Bolsonaro também era indiciado, mas foi inocentado pelo TSE. A Justiça do Trabalho de Santa Catarina também foi acionada no caso, e proibiu Hang de influenciar o voto de funcionários.



O motivo para a abertura da ação foi um vídeo gravado por Hang em outubro do ano passado no interior de uma das lojas da Havan, falando com funcionários vestidos de verde e amarelo, enquanto exaltava o candidato do PSL à presidência.

“Todos sabem a minha posição. Eu sou Bolsonaro! Bolsonaro! Quero uma salva de palmas", declara o empresário no vídeo. Em seguida, ele pede a todos que gritem o nome do então candidato em coro.

"É incontroverso que o ato de propaganda eleitoral ocorreu no interior de uma das lojas da Havan, estabelecimento comercial que se enquadra na definição de bens de uso comum para fins eleitorais", justificou o ministro Sérgio Banhos, do TSE, na decisão.

Na defesa ao tribunal, Hang alegou que não houve irregularidade. Ele também argumentou que tem direito à livre manifestação do pensamento, um princípio constitucional.

Sem recorrer

O ministro Sérgio Banhos, do Tribunal Superior Eleitoral, homologou nesta quarta-feira (18) o pedido de desistência do empresário Luciano Hang de protocolar recurso contra a condenação de agosto, no valor de R$ 2 mil, por fazer propaganda irregular na campanha do presidente Jair Bolsonaro. De acordo com o documento, a defesa do empresário desistiu de recorrer da decisão e informou que Hang cumprirá a sentença.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.