Sexta-feira, 17 de Janeiro de 2020
COM CELERIDADE

Luiz Castro entra com ações no STF para tentar reverter suspensão de eleição direta

Um dos recursos do deputado estadual é um mandado de segurança e o outro um agravo regimental



luiz_luiz.JPG Foto: Arquivo AC
02/07/2017 às 20:47

O deputado estadual Luiz Castro (Rede), candidato a governo do Amazonas pelas eleições diretas, protocolou dois recursos junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), na tarde deste domingo (02), na tentativa de reverter a decisão liminar concedida pelo ministro Ricardo Lewandowski, que suspendeu as eleições diretas no Estado na última quarta-feira (28).

Um dos recursos é um mandado de segurança e o outro um agravo regimental. “Nossa intenção é justamente a de que a ministra Carmem Lúcia, presidente do STF revogue a liminar concedida por Lewandowski, como também o faça com a necessária celeridade, evitando que os prejuízos causados pela maléfica pré-citada sentença monocrática, não se ampliem, pela extensão exagerada no tempo de decidir no STF”, afirmou Castro em post nas redes sociais.



Em entrevista, Castro afirmou que os recursos são tentativas de cumprir o “dever político e jurídico”.  “Temos a convicção que estamos fazendo a solicitação correta, que o prejuízo será maior se não houver uma decisão. Quanto mais se coloque esta situação com clareza para ela, mais possível que observe que não é algo simplório suspender uma eleição que já estava em andamento”, destacou.

Outro recurso

O candidato do PT ao governo do Amazonas, deputado José Ricardo, já havia entrado com um mandado de segurança, no STF, pedindo a manutenção da eleição direta, na última sexta-feira (30). O parlamentar afirma que a decisão do ministro Ricardo Lewandowski causou “enorme instabilidade social no seio da sociedade amazonense” e transferiu para a população “sensação ímpar de insegurança jurídica”.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.