Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2021
Ajuda

Mãe abre vaquinha on-line após filho de sete anos ser internado na UTI com diabetes

Doações podem ser feitas através da internet



a82d4bea-ac8c-4b45-968d-774fc423106e_7C178AF0-D807-4303-936E-AF84D1C6F798.jpg Foto: Arquivo pessoal
12/11/2020 às 11:11

“A sensação de impotência e responsabilidade foram muito grandes. Foi desesperador”. A declaração é da assistente de Recursos Humanos (RH) Yasmin Rocha Soares, 30, que pede ajuda da sociedade por meio de uma “vaquinha on-line”, depois que o filho de sete anos, Pedro Lucca Soares de Oliveira, foi internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), diagnosticado com diabetes do tipo 1.

Os sintomas iniciais do pequeno Pedro foram  muita sede. O garoto bebia bastante água gelada e urinava com alta frequência. “A gente achava que fosse  devido ao calor de agosto”, disse Yasmin.



A preocupação surgiu, quando, repentinamente, Pedro emagreceu cinco quilos.

No dia 21 de agosto, Yasmin o levou ao Hospital e Pronto-Socorro (HPS) 28 de Agosto depois que a criança passou mal após comer uma fatia de bolo.

“Ele foi internado com 458 de glicose. O pâncreas dele não funcionava mais”, disse a mãe.

No dia seguinte, 22 de agosto, Pedro foi internado na UTI do hospital Samel, situado no Centro de Manaus. Os médicos receavam que ele entrasse em coma, segundo Yasmin.

A criança permaneceu na UTI até o dia 24, quando pôde ser transferido a um dos leitos do hospital, onde permaneceu por três dias.

Quando chegou em casa, Yasmin sentiu medo diante da mudança repentina do cotidiano.

“Ele vivia bem, e, da noite para o dia não pode mais comer sem, antes, tomar insulina. Quando voltamos para casa senti medo, insegurança e tristeza”, relatou a assistente de RH.

Dificuldades no dia a dia

Desde que retornou do hospital, Pedro precisa medir os níveis de glicose no sangue, diariamente, por meio de um aparelho que requer a retirada de uma amostra de sangue do garoto. “É preciso furar o dedo dele sempre que queremos medi-la”, disse Yasmin.

Pensando em melhorar a qualidade de vida do filho, a assistente de RH decidiu abrir uma vaquinha na internet para arrecadar dinheiro à compra de um sensor que fornecerá dados atualizados dos níveis de glicose no sangue da criança.

“Ele não precisará mais furar o dedo, porque o aparelho realiza a medição somente com o contato no corpo dele”, disse.

A assistente de RH afirmou, também, que a utilidade maior do aparelho será na velocidade de identificação dos níveis de glicose em Pedro. “Assim, a identificamos mais rápido e evitamos que ele chegue a desmaiar ou ter problemas maiores. O diabetes descompensado pode trazer sequelas. Muitas vezes, o Pedro está brincando, e, quando meço a glicose dele, vejo que está bem alta ou muito baixa”.

Além de cuidar fisicamente do filho, após a internação, a mãe contou que precisou amparar a saúde mental de Pedro. “Ele pergunta porque Deus fez isso com ele. Nós temos feito um tratamento psicológico para fazer com que ele consiga aceitar a doença”.  O sensor dura 14 dias e traz um custo total de R$ 280.

Interessados podem ajudar mãe e filho por meio do link da vaquinha on-line.

Doações podem ser feitas às seguintes contas bancárias:

Bradesco

Agência 3739

Conta Poupança 1000718-6

Caixa Econômica Federal

Agência 2980

Op 013

Conta Poupança 00046670-7

Ou por meio do número de telefone: 98236-9536


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.