Publicidade
Cotidiano
PESQUISA

Mais de 76% dos ribeirinhos do Médio Solimões se automedicam, aponta estudo

Resultado foi mostrado em pesquisa desenvolvida por professor da Ufam com apoio da Fapeam. Segundo o estudo, os analgésicos estão entre os medicamentos mais utilizados pela população 29/03/2017 às 14:28
Show barco
População ribeirinha possui taxa elevada de automedicação (Foto: Divulgação)
acrítica.com Manaus (AM)

Um estudo aponta que, em um universo de oito regiões de lagos e rios da zona rural de Coari, no Médio Solimões, no Amazonas, há prevalência elevada da automedicação nas comunidades situadas nessas localidades. Mais de 76% da população se automedica. Esse é um dos resultados da pesquisa desenvolvida pelo professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), o doutor Abel Santiago Muri Gama. O estudo conta com apoio do Governo do Estado via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

Intitulado “Automedicação em Comunidades Ribeirinhas na Região do Médio Solimões”, o estudo, concluído em 2016, tinha a proposta de analisar a prática de automedicação e fatores associados entre ribeirinhos daquela região, no entanto, o grupo de pesquisadores fez mais. Durante as coletas de dados para composição da pesquisa, eles exibiram filmes de curta duração que abordavam os riscos da automedicação com intuito de conscientizar os comunitários.

Segundo o coordenador do estudo, a pesquisa foi realizada nas oito regiões de lagos e rios da zona rural de Coari, no interior do Estado. O estudo contemplou as seguintes comunidades: Divino Espírito Santo, Ipixuna, Nossa Senhora do Cuanaru, São Francisco do Aranaí, Iracema, São Sebastião Água Branca, São Pedro do Tauana, Itapéua, São José do Mato Grosso, Santa Maria do Igapó Grande, Menino Deus Ilha do Julho, Santo Antônio do Curutari, Vila Brasil, Colônia Adventista, São Francisco do Laranjal, São João do Campina, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro da Boa Fé, Santa Terezinha, Vila Fernandes, São Sebastião das Flores, São José da Boa Vista, São Tomé do Patuá, Divino Espírito Santo do Izidório, Dom Bosco e Nossa Senhora de Fátima do Caioé.

De acordo com o pesquisador, um dos principais resultados encontrados foi a identificação da prevalência elevada da automedicação (76,3%). Os principais problemas de saúde foram problemas álgicos (que provocam dor) de diferentes origens (58,1%). Em relação aos medicamentos mais utilizados na prática de automedicação são os analgésicos (57,5%) e antimicrobianos (13,0%). “Os fatores associados à automedicação foram sexo masculino, faixas etárias jovens, não procura por serviços de saúde, tempo elevado de deslocamento da comunidade à zona urbana”, disse o pesquisador.

Ainda segundo o pesquisador, foi possível detectar o uso irracional de medicamentos pelos ribeirinhos, sobretudo de medicamentos antimicrobianos. A pesquisa também identificou que nestas regiões o acesso aos profissionais de saúde habilitados a prescrever medicamentos é limitado. “As próximas ações serão voltadas ao acesso aos serviços de saúde e ao consumo racional de medicamentos”, ressaltou o professor.  

Cine Ribeirinho

Durante as atividades desenvolvidas na coleta de dados da pesquisa, o grupo realizou atendimentos de saúde e promoveu ações educativas para os comunitários, como o ‘Cine Ribeirinho’. O cine reproduzia obras cinematográficas mundiais nas comunidades e tinha cunho educativo. O foco era conscientizar os comunitários sobre os riscos da automedicação, como explica o professor.

“Os pesquisadores elaboraram em conjunto com os alunos no laboratório do ISB/Ufam, pequenos vídeos de forma lúdica com 2 a 4 minutos, com temas voltados aos riscos da automedicação e uso racional de medicamentos. Os vídeos foram formatados e inseridos em intervalos programados de 15 em 15 minutos durante a exibição do filme. Foram realizadas 3 sessões de cinema, contando com a participação de 156 ribeirinhos na faixa etária entre 6 a 89 anos”, contou Santiago.

Benefícios

De acordo com o pesquisador, as informações do estudo poderão subsidiar políticas públicas específicas para estas populações, no que diz respeito sobre o uso racional de medicamentos. Em relação aos benefícios para academia, o professor cita a formação de recursos humanos sensíveis e qualificados para atuar na pesquisa, ensino e no atendimento a saúde, de acordo com as características peculiares dos ribeirinhos da região Amazônica. 

Publicidade
Publicidade