Publicidade
Cotidiano
Notícias

Manaus tem pior IDH entre 16 regiões metropolitanas, mesmo com redução da desigualdade

Disparidade entre regiões metropolitanas no Brasil diminuiu entre 2000 e 2010, segundo estudo. Entretanto, Manaus ficou no final da lista. Renda, educação e longevidade compõem medidor de Índice de Desenvolvimento Humano 25/11/2014 às 11:14
Show 1
Comparada com São Paulo, no topo da lista com 0,794 pontos, Manaus teve 0,720 de IDHM
ACRITICA.COM Manaus (AM)

Manaus tem o pior Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) entre as 16 regiões metropolitanas (RM) no Brasil, divulgou nesta terça-feira (25) o estudo Atlas do Desenvolvimento Humano nas Regiões Metropolitanas Brasileiras, resultado da parceria entre Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) e a Fundação João Pinheiro.

A região metropolitana de Manaus é composta, além da capital, por mais sete cidades: Careiro da Várzea, Iranduba, Itacoatiara, Manacapuru, Novo Airão, Presidente Figueiredo e Rio Preto da Eva. O IDHM, composto por números sobre renda per capita, educação e expectativa de vida/longevidade, vai de 0 a 1, sendo 0 pior e 1 melhor.

Comparada com São Paulo, cidade no topo da lista com 0,794 pontos, Manaus tem 0,720 de IDHM. Mesmo sendo colocada no final da lista, o desempenho da região metropolitana de Manaus, acima dos 0,700 pontos de IDHM, faz parte de um avanço de todas as regiões metropolitanas no Brasil no Índice de Desenvolvimento Humano, entre 2000 e 2010.

Em 2000, Manaus tinha índice de 0,585 pontos e já estava no final da lista. De lá para cá, até 2010, a diferença entre a região metropolitana de IDHM mais elevado (São Paulo) e a RM de IDHM mais baixo (Manaus) caiu de 22,1% para 10,3%, ou seja, a desigualdade diminuiu.

Conforme o estudo, as 16 RMs estão menos desiguais em 2010 do que estavam em 2000, já que atualmente todas alcançaram IDHM “alto”, acima dos 0,700, e avançaram em todos os 200 indicadores socioeconômicos levantados.

As 16 regiões metropolitanas no estudo são: Belém, Belo Horizonte, Cuiabá, Curitiba, Distrito Federal, Fortaleza, Goiânia, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Luis, São Paulo e Vitória.

Mesmo com o avanço generalizado, o ritmo de crescimento entre elas não foi o mesmo. As Regiões Metropolitanas que possuíam os menores indicadores tiveram um ritmo de crescimento mais acelerado do que as que já estavam em patamares mais altos de IDHM, o que contribuiu para a redução do hiato entre elas.

Apesar da reconhecida melhora e da redução das disparidades, a desigualdade dentro dos municípios ainda é um fator marcante. Em casos extremos, na mesma RM há Unidades de Desenvolvimento Humano (UDHs) extremamente desiguais.

UDHs são áreas menores que bairros nos territórios mais populosos e heterogêneos, mas iguais a municípios inteiros quando estes têm população insuficiente para desagregações estatísticas. Confira abaixo a lista de IDHMs entre as 16 regiões metropolitanas.

1º São Paulo 0.794

2º DF e Entorno 0.792

3º Curitiba 0.783

4º Belo Horizonte 0.774

5º Grande Vitória 0.772

6º Rio de Janeiro 0.771

7º Goiânia 0.769

8º Vale do Rio Cuiabá 0.767

9º Porto Alegre 0.762

10º Grande São Luís 0.755

11º Salvador 0.743

12º Recife 0.734

13º Natal 0.733

14º Fortaleza 0.732

15º Belém 0.729

16º Manaus 0.720

Publicidade
Publicidade