Publicidade
Cotidiano
DIA DE LUTA

Manaus vai receber 'Paralisação Internacional das Mulheres' nesta quinta

Paralisação que acontece no Dia Internacional da Mulher acontecerá no Centro e visa chamar atenção da sociedade para a causa feminina 06/03/2018 às 18:28 - Atualizado em 06/03/2018 às 18:29
Show 8mmanaus
Elas falaram com a imprensa local antes do evento de amanhã / Fotos: Divulgação
Paulo André Nunes Manaus (AM)

Uma manifestação que acontece na próxima quinta-feira, 8, a partir de 15h, promete chamar a atenção para as causas e direitos das mulheres. Denominada de “Paralisação Internacional das Mulheres. Perdas de Direitos? Eu não aceito! Um ato em celebração ao Dia Internacional da Mulher – 8M Manaus”, o evento vai percorrer algumas das principais vias da cidade e a organização é do coletivo unificado 8M Manaus, que agrupa fóruns, movimentos de mulheres, ativistas e artistas de mais de 70 movimentos femininos do Estado do Amazonas.

A paralisação este ano tem como pautas a luta contra a retirada de direitos no trabalho, na Previdência, na educação, na saúde e nas reformas. Outro foco da mobilização é cobrar as políticas públicas dos governos federal, estadual e municipal para combater a violência contra as mulheres, a transfobia, a lesbofobia, as desigualdades social e econômica. O 8 de Março é um dia de luta histórica onde mulheres de várias cidades do mundo organizam, ocupam as ruas e refletem sobre as formas do trabalho feminino na sociedade. 

A concentração da manifestação será às 15h na Praça da Saudade, e às 16h ela percorre a avenida Epaminondas, Sete de Setembro, sobe a Eduardo Ribeiro e estaciona no Largo São Sebastião, quando ocorrerão interferências artísticas e palavras de ordem contra a violência e a favor da questão feminina internacional.


Cenas da manifestação no ano passado, que reuniu cerca de 1.500 participantes

Ano passado, uma manifestação idêntica reuniu em torno de 1.500 pessoas nas ruas do Centro, número que é novamente estimado para este ano pela organização. 

Nesta terça-feira, dia 6, representantes dos movimentos sociais, fóruns, ativistas, organizações sindicais e coletivos feministas do Amazonas conversaram com jornalistas sobre o evento na Galeria do Largo, na Praça São Sebastião, Centro.

Segundo a ativista Michelle Andrews, é preciso entender que o dia 8 de março não é uma data para homenagens, mas, sim, para reivindicações e reflexão da mulher neste momento, falando de forma internacional. “Dentro disso é bom lembrar que são mulheres exigindo direitos, fazendo atividades e dizendo: ‘Nós existimos’. Estamos morrendo e não conseguimos ir a um espaço cultural, como um bloco de Carnaval, sem ser assediadas, a ir a uma parada de ônibus sem sofrer assédio, não se pode ter a opção de casar ou ter filho. Não somos donas do nosso corpo e coisas ao redor”, analisa ela. “A cada dois minutos uma mulher é violentada no País”, ressalta Michelle Andrews.

Formação

O 8M Manaus  é formado pelo Fórum das Mulheres de Manaus; Mobilização 8M; coletivos Difusão, Rosa Zumbi-PSOL, Hip Hop Feminino MariaM, Feminista Ana Montenegro-PCB, Negro Alexandrina e Feminista Baré, Instituto Manas, Ocupaminart/Associação dos Mestres e Brincantes da Cultura Popular do AM; ; secretarias de Mulheres PSTU, Movimento Mulheres em Luta, Mulheres do PT e Mulheres do PCdoB; Conselho Regional Serviço Social AM/RR; ParatidA; Encrespa Geral Manaus; FOJUNE-AM; Musas; Rede Ciber Ativistas Negras; maracatus Baque Mulher Manaus e Pedra Encantada; Crioulas do Quilombo de São Benedito; GAM; Maria Sem Vergonha; UBM e GESECS.

Publicidade
Publicidade