Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020
EDUCAÇÃO

MEC avalia liberação de recurso para construção de novo prédio da Ufam

O secretário Paulo Barone se comprometeu em levar ao MCTIC uma proposta para descentralização orçamentária para viabilizar a construção do novo prédio



show_ufam_123_7CEED5D4-196D-44DE-9CA1-4600772901E6.JPG (Foto: Arquivo AC)
15/08/2018 às 11:22

Representantes da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) reuniram-se na tarde desta terça-feira (14) na sede do Ministério da Educação (MEC), em Brasília, para discutir a descentralização orçamentária para construção do novo prédio de Ciência, Tecnologia e Inovação da Ufam.

A pauta foi levada pelo deputado da bancada do Amazonas, Gedeão Amorim (MDB), que junto com o representante da Ufam em Brasília, Charles Vale, avaliaram com o secretário de Educação Superior (Sesu) do MEC, Paulo Barone, a liberação de mais recursos para a viabilização da obra.



Ao longo do encontro, o parlamentar ratificou a importância do investimento para a ciência amazonense, especialmente no incentivo à inovação tecnológica.

 “O desenvolvimento do País perpassa, necessariamente, pelo avanço do ensino, pesquisa e inovação. Essa obra é muito importante para que avancemos nessa frente no Amazonas. Com ela, a Ufam possibilitará aos seus pesquisadores uma melhor estrutura, o que trará relevante impacto nos resultados científicos”, concluiu.

Para o representante da Ufam em Brasília e contador institucional, Charles Vale, “a reunião serviu para apresentar algumas demandas da Universidade e discutir o orçamento para atender o pleito em questão”.

Já o secretário de Educação Superior do MEC, Paulo Barone, comprometeu-se em levar ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) uma proposta para descentralização orçamentária para viabilizar a construção do novo prédio.

*Com informações da assessoria de comunicação.


Mais de Acritica.com

20 Jan
trans_8C3DB8BB-BCF9-43E8-B068-3BED79D3DBF5.JPG

Mutirão retifica nomes e assegura identidade de travestis e transsexuais

20/01/2020 às 20:27

Como o procedimento feito diretamente no cartório não é tão simples (a lista de documentos exigidos é extensa) e nem sempre é barato (custa em média entre R$350 a R$ 400), a ação visa não somente facilitar a vida das pessoas transexuais que desejam alterar o nome e gênero de registro em sua documentação de nascimento, como também vai acompanhar e custear a certidão de tabelionato de protestos


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.