Publicidade
Cotidiano
Notícias

Médicos do AM aderem greve nacional e param por três dias

A deliberação em assembleia acompanhou decisão da categoria a nivel nacional, que deve paralisar todas as atividades de serviços médicos nos dias 23, 30 e 31 de julho. 15/07/2013 às 20:57
Show 1
Representantes de entidades ligadas à saúde do Amazonas e estudantes de medicina protestaram contra as contratações dos médicos cubanos
Bruno Strahm Manaus (AM)

O Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam) deliberou em assembleia a adesão da categoria aos três dias de greve como orientou o movimento nacional. O encontrou aconteceu na noite desta segunda-feira (15) no Sindicato dos Bancários e União Geral dos Trabalhadores, na Avenida Leonardo Malcher, Centro da cidade.

Serviços de saúde da rede pública na instância municipal e estadual, como consultas, exames e procedimentos cirúrgicos que não sejam de urgência e emergência, serão paralisados nos dias 23, 30 e 31 de julho, seguindo o calendário nacional.

A categoria ventilou a possibilidade de ter uma agenda própria de protesto no estado, o que significaria mais dias de paralisação apenas no Amazonas, mas foi descartada na assembleia.

Segundo a presidente do Simeam, Sandra Sicchar, tudo está sendo conduzido dentro da legalidade para não haver surpresas por parte das autoridades. “Sexta-feira passada nos reunimos com o prefeito Arthur Neto e hoje (segunda-feira) tivemos uma reunião com o secretario Wilson Alecrim. Eles já estão a par da situação. Precisamos realizar a greve para que as coisas aconteçam e nossa categoria seja valorizada”, comentou Sicchar.

Ainda de acordo com Sicchar, os dias em que não irão trabalhar serão marcados por manifestações nas ruas de Manaus contra as últimas ações do governo, que vão de encontro com acertos de anos com a categoria, como é o caso do programa “Mais Médicos”, ou seja, a vinda de médicos estrangeiros para atuarem no país sem passarem pelo exame Revalida.

De acordo com as lideranças médicas, esse pacote prejudica a Medicina, a qualidade da assistência e ainda coloca em risco a vida dos brasileiros.

Publicidade
Publicidade