Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2021
Material escolar

Mesmo sem previsão de retorno às aulas, pais querem garantir material escolar

Atualmente, de portas fechadas, as lojas se adaptaram as vendas online e ao trabalho de entrega de pedidos



show_compras_105BE9BB-B352-4F39-BE72-80515A61ABB4.jpg Foto: Arquivo AC
21/01/2021 às 17:28

O início do ano para muitos é sinônimo de volta às aulas e consequentemente, de compra de materiais escolares. Mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus, em Manaus, e diante das incertezas de quando iniciará o período escolar, muitos pais já se preocupam com a renovação de materiais dos filhos. 

A administradora Isabel Adelino Ferreira Campos, 38, mãe de duas meninas de 5 e 7 anos, já tem listado os materiais que serão necessários para o ano. Ela conta que iniciou as pesquisas de preço em sites, pediu orçamento às editoras, no entanto, ainda não fez aquisição de material. 



“Me sinto bem insegura em fazer todas as compras de forma online, principalmente quanto a itens como mochilas, lancheiras, fardas, ainda sinto aquela necessidade de testar a qualidade e praticidade dos produtos”. Outros itens como pincéis, lápis de cor, lápis, giz e tinta guache, ela comentou que não irá comprar já que nem todos os materiais foram usados no ano passado. 

“Quanto aos livros e itens de papelaria, estou adiando. Acredito que na próxima semana, eu devo começar a comprar porque vou pedir de sites de fora e chegarão a tempo das aulas”. Já a enfermeira, Maria Alice Santos, 38, mãe de um menino de 11 anos, destaca que o momento não pede grandes gastos com material escolar. Segundo ela, também reaproveitará alguns materiais não utilizados em 2020. 

“Eu comprei materiais usados de outra mãe. Esse ano, eu resolvi não gastar muito com material tanto pela situação quanto pelas condições mesmo, não está dando pra gastar tanto assim. De material, os livros já estão comprados, já cadernos e outros acessórios, ainda não comprei nada, estou cogitando seriamente adaptar os do ano passado”. 

Vendas Online

O esquema de vendas de materiais escolares foi totalmente reformulado por conta da pandemia da Covid-19. Ainda no ano passado, os pais podiam escolher, de perto, os itens escolares dos filhos. Atualmente, de portas fechadas, as lojas se adaptaram as vendas online e ao trabalho de entrega de pedidos. 

Em alguns estabelecimentos, as vendas caíram e em outras o ritmo é de muita demanda. Para o diretor administrativo da Livraria Lira, Erick Alves Lira, o maior desafio é atender os clientes,  um por um, via WhatsApp. 

“As nossas vendas online dispararam, mas de uma forma desproporcional, por que a demanda é muito grande. Por exemplo, nessa época, eu costumava atender de mil a 1,8 mil clientes por dia e agora, eu preciso atender toda essa demanda via virtual e está sendo bem puxado”. 

De acordo com o gerente da Tropical Multiloja da Saldanha Marinho, Felipe Sanches, o atendimento aos clientes pela internet não é o mesmo que o presencial. “Não está vendendo tanto quanto nós gostaríamos. Não tem como comparar a venda assistida, quando se atende vários clientes ao mesmo tempo, com o atendimento via site”, destacou.

News karol 2d8bdd38 ce99 4bb8 9b75 aaf1a868182f
Repórter de Cidades
Jornalista formada pela Uninorte. Apaixonada pela linguagem radiofônica, na qual teve suas primeiras experiências, foi no impresso que encarou o desafio da prática jornalística e o amor pela escrita.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.